PAUTA
Informação e música em harmonia

Entrevista! Falamos com a Maglore sobre o lançamento de seu primeiro álbum ao vivo

Entrevista! Falamos com a Maglore sobre o lançamento de seu primeiro álbum ao vivo (Foto: Breno Galtier)

Com 24 faixas, registro foi feito em São Paulo

Postado em 24/07/2019 por

A Maglore iniciou 2019 com uma apresentação, no Cine Joia (São Paulo), para comemorar os seus 10 anos de carreira e aproveitou a ocasião para fazer um registro da noite. Agora, a banda celebra o lançamento desse ao vivo. O show todo está disponível no Youtube da banda e nas plataformas de streaming.

“É legal ter um registro desse momento histórico na nossa carreira, porque, pô, é difícil uma banda durar mais de 10 anos”, diz Lucas Oliveira (baixo e voz).

Assista ao vídeo de “Café com Pão”:

O show de gravação teve um formato especial, no qual Teago Oliveira (voz e guitarra), Lelo Brandão (guitarras e synth), Lucas Oliveira (baixo e voz) e Felipe Dieder (bateria) contam com a participação de Helio Flanders (Vanguart) e de um trio de metais composto por Felipe Nader (sax), Gustavo Sousa (trompete) e Douglas Antunes (trombone).

Além de sucessos como “Me Deixa Legal”, “Café Com Pão”, “Dança Diferente” e “Mantra”, a Maglore toca também “Não Existe Saudade no Cosmos”, que foi composta por Teago Oliveira e ficou conhecida por ter sido gravada por Erasmo Carlos no seu disco mais recente, …amor é isso (2018).
Assista a “Me Deixa Legal” ao vivo:

ENTREVISTA
O Showlivre.com falou com a Maglore sobre o registro ao vivo e muito mais, confira:

SHOWLIVRE – Primeiramente, obrigado por atender ao Showlivre.com! A gravação de um álbum ao vivo é sempre algo marcante na carreira de uma banda, ainda mais no primeiro registro. O que podemos esperar da Maglore daqui pra frente?
MAGLORE – Pra gente foi especial marcar esse momento, gostamos do resultado do registro, foi o primeiro que fizemos com uma qualidade bacana. Os planos são continuar com a agenda de shows e iniciar a pré-produção de material novo pra um próximo trabalho inédito.

SHOWLIVRE – São 10 anos de carreira com momentos diferentes vividos pela banda. Quais forma as maiores dificuldades que vocês encontraram para chegar até aqui?
MAGLORE – As maiores dificuldades, sem dúvidas, são aquelas inerentes a se fazer música e circular de forma independente no nosso país: manter uma agenda constante, viver de música, gravar discos e retratar de modo fiel e verdadeiro os diversos momentos pelos quais uma banda com 10 anos de existência passa. Parece que foi ontem, mas é muito tempo, de 2009 pra cá, foram vários “Brasis”, cenários distintos de vertentes distintas tendo mais ou menos espaço. Sobreviver de maneira digna, honesta e verdadeira, em meio a tudo isso, é o maior desafio. 

SHOWLIVRE – A Maglore tem um som marcante, que passeia por diferentes estilos, mas sempre mantendo a cara da banda. Em uma cena onde tem sido tendência os artistas experimentarem e misturarem cada vez mais estilos, podemos esperar algo do tipo nos próximos trabalhos? 
MAGLORE – Se esse for um caminho, acima de tudo, honesto e verdadeiro pra nós, sim. Nossos discos não são muito pensados, em termos de linguagem, até que nos juntemos pra trabalhar as canções. Tudo é muito natural e orgânico. Nunca houve um pensamento de se adequar a cenários de linguagens mais hegemônicas em um dado momento, encaramos a música mais em termos de uma verdade pra todos. Se sentirmos uma conexão real com o som ao longo das prés, gravação, mix, o processo todo envolvido, aquele será o registro. Em dez anos, muita coisa muda; o que era “hype” em 2010, em 2012, não é mais hoje; muito provavelmente, o que é “hype” hoje, não vai ser em 2022. Acreditamos na força dessa verdade em conjunto pra além de se ajustar a diferentes contextos. 

SHOWLIVRE – O rock no Brasil, assim como no mundo, tem sobrevivido longe do mainstream. Como vocês vêem essa situação e quais bandas além da Maglore vocês consideram estar mantendo vivo o movimento do rock no país?
MAGLORE – O rock brasileiro, se a gente analisar friamente, esteve presente no mainstream em poucos momentos. A gente fala e se queixa de não fazer mais parte desse nicho, mas a verdade é que esse é um saudosismo de algo que quase nunca existiu. Tivemos isso nos anos 80, meados dos anos 90 pros anos 2000, no respiro final da lógica das grandes gravadoras. Pra além disso, são casos isolados, que também sempre vão existir. Se o pensamento for o de fazer música e lutar por isso de modo a se manter eternamente na “crista da onda”, a frustração é certa, porque esses cenários dependem de variáveis sobre as quais o artista não tem o menor controle. É natural que gêneros distintos estejam nesse lugar em momentos distintos. Nossa identificação maior é com bandas e artistas do nosso circuito, como O Terno, Boogarins, The Baggios, Francisco, El Hombre, Far From Alaska, Vivendo do Ócio, Scalene, dentre outros. Nem todos flertam exclusivamente com o que se costuma chamar de “rock”, no sentido mais clássico do termo, mas acreditamos que nosso som muitas vezes também sai desse rótulo. Nos identificamos com eles.

SHOWLIVRE – Quais os principais planos que a Maglore tem no radar para os próximos 10 anos?
MAGLORE – Permanecer produzindo, circulando e tocando ao vivo, acima de tudo, enquanto houver essa chama pra todos. É interessante pensar numa carreira a longo prazo, curtimos muito bandas e artistas que possuem uma discografia consistente ao longo dos anos.

SHOWLIVRE – Obrigado por nos receberem e parabéns pelo belo trabalho que a banda vem fazendo. Querem deixar algum recado para os leitores?
MAGLORE – Nós que agradecemos! Que mantenhamos a música e a arte vivas nesse momento difícil no país, onde prevalece uma ode à ignorância, à anti-ciência, anti-arte e anti-livre expressão. Sigamos vivos, fortes, combativos e atentos.  

Maglore foi atração do Estúdio Showlivre em 2015, confira como foi a apresentação:

Girl Power: a música brasileira como ferramenta do empoderamento feminino
Showlivre Entrevista: Por que Pabllo Vittar atrai tantos fãs?
15 tweets que mostram o real efeito de Marília Mendonça sobre a vida das pessoas

Lançamentos! Planta e Raiz feat. Cynthia Luz, Julia Joia, O Tarot, Soul 3, Rap Nova Era e Corado

Lançamentos! Planta e Raiz feat. Cynthia Luz (foto), Julia Joia, O Tarot, Soul 3, Rap Nova Era e Corado (Foto: Youtube/Reprodução)

Separamos algumas das novidades da música brasileira para vocês, confira!

Postado em por

A banda de reggae Planta e Raiz lançou clipe de single com participação da rapper Cynthia Luz, iniciando a celebração dos 21 anos de carreira “Desejo”, parceria com a cantora Cynthia Luz, tem influências de música latina, trap e reggae. Assista ao clipe:

Depois do single “Veneno”Julia Joia apresenta seu lado mais sensível em “Longe de Casa”, que foi lançado nas plataformas de streaming. O clipe foi gravado em uma estação de metrô e em um hotel, na Barra da Tijuca/RJ. Assista:

“Caravanero” é o novo clipe da banda O Tarot. Com direção de Isabela Eichler e Thaís Mallon e produção de Carol Villalobos. O single é o primeiro lançamento da banda em 2019. No ano de 2018 O Tarot lançou o álbum “A Ilha de Vidro”, disponível nas principais plataformas de streaming. Assista ao clipe de “Caravanero”:

No ano de 2011, três amigos se juntaram para fazer um som na capital mineira, Belo Horizonte. Daí surgiu a banda Soul 3 que de lá pra cá vem se fixando no cenário pop da música brasileira. Em 2015 veio o lançamento do primeiro disco e agora, em 2019, a banda se reinventa e lança um novo single chamado “Repara em Mim” acompanhado por um videoclipe cheio de atitude e bom humor. Assista:

Rap Nova Era, formado por Ravi, Moreno e DJ Kbça, acaba de divulgar seu terceiro registro de estúdio, “Renovação”. Como o próprio título sugere, esse é um marco para  a identidade do grupo baiano. Se antes o objetivo era ressaltar a vivência contínua da violência, principalmente policial, agora a proposta é outra, menos agressiva e muito mais preocupada com a musicalidade. Confira a faixa “Terror e Verdade” com participação de Nocivo Shomon, JR RDG e Big da Godoy:

Como parte de um grande projeto autoral, a banda Corado lança seu mais novo material, com versões ao vivo de suas músicas próprias e uma releitura do reggae jamaicano “Who Knows”, dos artistas Protoje e Chronixx. Assista ao vídeo de “Festa do Povo” na live session:

Rapper Leal (PrimeiraMente) lança seu primeiro álbum solo

Rapper Leal (PrimeiraMente) lança seu primeiro álbum solo (Mario Neves)

Primeiro disco solo do rapper conta com 16 faixas, clipes e participações de peso

Postado em por

O rapper Leal, que faz parte do grupo de rap PrimeiraMente, lançou o seu primeiro álbum solo nas principais plataformas de streaming. O álbum, intitulado “Visceral”, conta com 16 músicas, produzidas por Di Responsa, TH e Riff, além de clipes e participações de peso. Gali, Sid MC, Sant, L7NNON, Dudu MC, Froid, Aka Rasta, Dnasty, NP Vocal, Raillow e o português Vado Más Ki As formam o time de convidados.

“Fuga de Babel pt. 2” e “Visceral” foram os primeiros trabalhos lançados do álbum solo de Leal. E antes mesmo do disco completo cair na pista, o rapper do PrimeiraMente já havia ultrapassado meio milhão de visualizações só no YouTube.

Leal ficou conhecido pela contundência de suas letras, postura com fãs e um engajamento social ao compor, que carrega um discurso sempre necessário diante do cenário em que vivemos no Brasil. Em sete anos como parte do PrimeiraMente, fundado em 2012, por ele, Gali e Raillow, ganhou respeito, consideração e atenção de milhares de ouvintes.

Frequentador constante das batalhas de São Paulo, como a do Santa Cruz, do Beco, Sexta Free e Batalha da Leste, o rapper também já participou de projetos como o Reviva Rap. Além de destilar seu jogo de palavras, flows e melodias com o grupo paulistano, Leal ainda participa de diversos projetos como “Poetas No Topo” e “Perfil” da Pinneaple, e colaborações com nomes como ADL, Djonga, DJ Caique e Diomedes Chinaski.

No começo do ano o Showlivre lançou o álbum do PrimeiraMente “Na Mão do Palhaço Ao Vivo”, no YouTube e principais plataformas de Streaming. O Primeiro registro ao vivo do grupo foi gravado em São Paulo. Confira como foi a apresentação:

Francisco, el Hombre lança clipe de “SE HOJE TÁ ASSIM : : imagina o amanhã”

Francisco, el Hombre lança clipe de “SE HOJE TÁ ASSIM : : imagina o amanhã” (Foto: Reprodução/Facebook)

Clipe passa uma mensagem sobre a vida, o presente e o futuro

Postado em 23/07/2019 por

A banda Francisco, el Hombre lançou o clipe de “SE HOJE TÁ ASSIM :: imagina o amanhã“, faixa de seu mais recente álbum RASGACABEZA.

O clipe traz a atriz Vaneza Oliveira, atriz protagonista da série 3%, da Netflix. A direção do vídeo é de Dani Libardi, que também dirige a série.

Assista ao clipe no canal oficial da banda clicando aqui.

A produção audiovisual traz a protagonista em meio a uma cidade que a sufoca. A sensação da cidade cinza e sufocante, como São Paulo e outras metrópoles, é reforçada por um clipe quase que por inteiro em preto e branco.

A banda Francisco, el Hombre foi atração do Estúdio Showlivre por Rolling Stone em 2017, confira:

A apresentação também está disponível nas plataformas digitais, confira no Spotify, Deezer, Apple Music e demais plataformas: http://bit.ly/2GpZWWx

Onze:20 lança clipe de seu novo single: “Todo Santo Dia”

Onze:20 lança clipe de seu novo single: “Todo Santo Dia” (Foto: Divulgação)

Faixa fala de amor e aposta em sonoridade mais moderna e dançante indo além do tradicional reggae da banda

Postado em 19/07/2019 por

Apostando em uma sonoridade mais moderna e dançante, com traços de pop rock somados aos sons do reggae dançante, o Onze:20 lança a faixa “Todo Santo Dia”. O clipe traz uma história de amor entre dois jovens que aproveitam a vida longe da cidade com muita leveza celebrando os frutos dessa união. Single e clipe foram lançados hoje (19/07). Assista:

“Pela primeira vez fizemos um clipe em que não aparecemos em nenhum momento. Nossa intenção foi passar uma história de vida com muito amor, simplicidade e energia positiva. Gostamos muito do resultado e com certeza muitas pessoas vão se identificar com a música e o clipe”, conta Fábio, baterista da banda.

A banda afirma que através da música é possível conscientizar o público sobre a importância de praticar o amor ao próximo para que coisas boas aconteçam: “Em tempos de tantos conflitos, de tanta violência e de tanto desrespeito, falar sobre o amor é essencial pra mostrar o outro lado da moeda. Nossa intenção através da música é conscientizar as pessoas spbre plantar o bem para colher bons frutos no futuro. A caminhada é longa e o processo é lento, mas se cada um fizer sua parte vamos vencer todos esses sentimentos ruins que se espalham cada vez mais na internet e no dia a dia das pessoas”.

Junto com o último lançamento, “Baseado no Amor”, a faixa “Todo Santo Dia”traz um novo marco no amadurecimento da banda, que segue explorando novos elementos da brasilidade sonora. “Estamos sempre amadurecendo. Somos uma banda brasileira e gostamos de explorar toda a riqueza musical que temos no país. Queremos continuar atingindo das crianças até as vovós de uma família e buscamos sempre manter a nossa verdade nos arranjos e nas letras”, declara a banda.

Onze:20 está em nossa playlist “Reggae a Mente” no Spotify e Deezer, siga:

• “Reggae a Mente” – Spotify: http://bit.ly/reggaebr_deezer – *
• “Reggae a Mente” – Deezer: http://bit.ly/reggaebrdeezer – *

Ana Müller faz as pazes com monstros internos e cura as suas dores no álbum de estreia “Incompreensível”

Ana Müller faz as pazes com monstros internos e cura as suas dores no álbum de estreia “Incompreensível” (Foto: Matheus Costa)

O disco esmiúça os mais complexos medos e receios enfrentados pela cantora para tornar-se sua própria fortaleza

Postado em 18/07/2019 por

Ana Müller abriu os trabalhos do disco “Incompreensível” com a contemplativa faixa “Eu Vi Você”, na qual fala sobre se enxergar verdadeiramente. Mas o caminho até o tal autoconhecimento versado no single contou com muitas outras etapas, que foram esmiuçadas pela cantora e compositora capixaba ao longo das 11 faixas do álbum. O trabalho, considerado por ela como a sua estreia fonográfica, foi lançado recentemente.

Assista ao clipe de “Eu Vi Você”:

Logo na faixa-título, a artista faz um convite a um processo de desconstrução ao ouvinte. Ao questionar “o que existe além de mim?”, a artista propõe que todos se abram às infinitas possibilidades que podem responder à indagação, para que surjam, assim, processos individuais de autoconhecimento. Trata-se do primeiro passo para desbravar o deserto que, segundo Ana, existe em todo ser. “‘Incompreensível’ é o homem que decide caminhar por esse deserto e conhecê-lo”, explica.

Ouça “Incompreensível”:

Ao se permitir transitar por todas as personalidades abrigadas em um único “eu”, Ana Müller dá de cara com os seus mais temerosos monstros e dores, encontro que resultou em “Meus Demônios”, segunda faixa do disco. Depois de abrir os olhos para tudo que está ao redor, é hora de se reconhecer como parte do mundo, ou seja, parte da dualidade do universo – temática que ressurge em “Mel e Cristal”, sexta música do trabalho. Para conseguir aceitar todos as suas versões, Ana precisou entender o que engatilha a existência de seus próprios demônios: “Abrace seu demônio, ame-o, conheça-o profundamente, pois assim você nunca será surpreendido por ele, ele será o seu aliado na sua proteção e equilíbrio”, aconselha.

“Tem Dia” é uma canção onde vemos a narrativa das letras edificar a esperança de que, apesar de qualquer dificuldade, existe beleza na vida; enquanto “Caravelas” destaca as ambivalências das relações afetivas. “Me leva pra casa”, por sua vez, apresenta um eu lírico que pede por calma e tranquilidade depois do turbilhão encontrado em seu deserto interior. É aí, em busca de um refúgio, que Ana descobre a si mesma como abrigo, mas não sem antes enfrentar seu entrave final em “Jaci”, música que fala sobre sua avó e ancestralidade.

A cantora retorna à autocontemplação para se reconciliar com todas as suas versões em “Inquilino”. Incompreensível chega ao fim com um eu lírico que não tem certeza absoluta de quem é, mas que tira sarro dos próprios medos. Isso é evidenciado em “Quem Era Eu” e “Eu Não Tenho Medo”.

Incompreensível foi gravado nos estúdios Lab Oi Futuro (RJ) e Funky Pirata (ES). Com produção musical de Henrique Paoli, a mixagem ficou aos cuidados de Gui Jesus Toledo, no estúdio Canoa (SP); enquanto a masterização foi feita por Fernando Sanches, no estúdio El Rocha (SP).

Lançamentos! Nicolas Cândido, Atitude 67, Canto Cego, The Cosmic Surfer, Inacy e MC Soffia

Lançamentos! Nicolas Cândido, Atitude 67, Canto Cego, The Cosmic Surfer, Inacy e MC Soffia (Foto: Reprodução/YouTube)

Separamos algumas novidades da música brasileira, confira e escolha a sua preferida!

Postado em 05/07/2019 por

NICOLAS CÂNDIDO | Duas novas vozes que, juntas, lançam o mais novo dueto romântico. O cantor Nicolas Candido liberou nesta sexta (05), em todas as plataformas digitais, a música “Pug Thor”, com a participação da cantora Sofia Oliveira. A canção faz parte do EP “Acústico Ao Vivo”, que será lançado em breve.

A música “Pug Thor” despertou a vontade de Nicolas em lançar um EP. “Eu tinha duas letras prontas e me surgiu a ideia junto com o meu produtor: por que não lançarmos um EP?”. E assim nasceu um dos maiores projetos do cantor. Assista:

ATITUDE 67 | O grupo Atitude 67 lançou nesta sexta (05/07) o EP “Casa 67”, com cinco singles autorais e inéditos, que já estão disponíveis para audição em todas as plataformas digitais. Para dar aos fãs uma experiência completa neste lançamento, a banda vai disponibilizar um clipe para cada faixa, liberando um por semana. Single do álbum, “Tão Linda” é a primeira faixa a ter seu clipe divulgada, nesta sexta-feira. “O clipe de cada música foi gravada em um cômodo da casa. Esta foi gravada na sala, que é o local de jogos de tabuleiro, de cerveja quando está frio e das rodas de violão. Acho que escolhemos começar por ‘Tão linda’ porque ela traz muita da família que é o Atitude 67. Nada melhor que isso em um álbum chamado ‘Casa 67’”, explica Pedrinho Pimenta, um dos vocalistas da banda. Assista ao clipe:

CANTO CEGO | A banda carioca Canto Cego lançou o clipe de “Passarada”. A banda começou seu processo criativo em 2010, na favela da Maré, lugar que inspirou o nome e a direção social e urbana de suas canções. A banda é formada por Roberta Dittz, Ruth Rosa, Magrão e Rodrigo Solidade. O clipe teve direção e edição de Roberta Dittz. Assista:

THE COSMIC SURFER | A banda catarinense The Cosmic Surfer lançou recentemente Get Cosmic, seu primeiro álbum. Com 10 faixas em inglês e autorais, sendo cinco inéditas, o trabalho homenageia Florianópolis, cidade onde o grupo foi formado, associando as praias da ilha mais famosa de Santa Catarina. O álbum está disponível nas principais plataformas de streaming. Assista ao lyric video de “Someone I Can’t Hold”. No dia 25 de julho a banda se apresenta no Estúdio Showlivre com transmissão a partir das 14h.

INACY | Inacy acaba de lançar o clipe de “Preto é Luz”. Com produção musical do nigeriano GMike, em parceria com o brasileiro Tico Pro, faixa une samba, bossa nova e rap.

“Nessa música eu quis transmitir alegria e, principalmente, exaltar a nossa beleza. Acho importante dizer que precisamos quebrar estereótipos e interromper o fluxo de ideias que nos colocam em imaginários negativos e distorcidos”, ressalta a artista carioca. É ela quem avisa: “reunido lá em casa / na praia, na rua, no bar / na arte, exatas, andando, correndo / dançando por todo o lugar / preto é luz / preto é mágica”.

Para a versão audiovisual, uma série de imagens, gravadas no alto do Edifício Copan, garantem uma vista panorâmica de São Paulo. A direção é assinada por Joyce Prado. Assista ao clipe:

MC SOFFIA |

Fresno lança “Sua Alegria Foi Cancelada”, oitavo álbum de estúdio da banda

Fresno lança “Sua Alegria Foi Cancelada”, oitavo álbum de inéditas da banda (Foto: Reprodução/Facebook)

Com o lançamento, banda tornou-se o primeiro artista nacional a integrar o cast da gravadora BMG Brasil

Postado em por

A banda gaúcha Fresno, um dos grandes nomes do rock nacional, lançou nesta sexta-feira (05/07) o álbum “Sua Alegria Foi Cancelada”. O oitavo álbum de estúdio da banda já está disponível nas principais plataformas de streaming. O lançamento da sequência ao “A Sintonia de Tudo que Há” (2016). Nos últimos anos, a Fresno tem proposto uma sonoridade mais amadurecida do que aquela que a levou ao sucesso e que os fãs estão acostumados, como nos álbuns “O Rio, A Cidade, A Árvore” (2004), “Ciano” (2006) e “Revanche” (2010).

O álbum foi anunciado com o laçamento dos clipes de “De Verdade” e “Convicção”, além do single “Natureza Caos”. 

Assista ao clipe de “De Verdade”:

Formada por Lucas Silveira, Thiago Guerra, Gustavo Mantovani e Mario Camelo, a banda apresenta em “Sua alegria foi cancelada” 10 faixas, todas lançadas com lyric vídeos.

“A partir de hoje agora este perfil será monotemático. Lançar álbum é uma coisa que só aconteceu oito vezes na minha vida, mas nunca com a emoção que estou sentindo hoje de ter ao meu lado meus irmão e mais uma infinidade de pessoas com a única finalidade de construir algo bonito. Que assim seja”, disse Lucas Silveira através de sua conta no Instagram.

A banda Fresno está em nossa playlist “Eu Quero é Rock!” no Deezer e Spotify, siga:

• “Eu Quero é Rock!” – Spotify: http://bit.ly/euqueroerockspotify – *
• “Eu Quero é Rock!” – Deezer: http://bit.ly/euqueroerockdeezer – *

Do fundo do baú! Em 2011 a Fresno passou pelo Estúdio Showlivre e tocou o clássico “Eu Sei” num formato eletroacústico, confira: