MENU Cadastre-se / Entrar
116

PAUTA
Informação e música em harmonia

A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O ônibus psicodélico utilizado pelo escritor Ken Kesey e os Merry Pranktesrs para difundir o LSD nos EUA. Foto: Reprodução / Twitter

Utilizado em pesquisas psiquiátricas e como substância de uso recreativo em comunidades alternativas, o ácido lisérgico impulsionou a contracultura ao redor do mundo

Postado em 21 de setembro de 2018 por

Morto em 14 de maio de 2018, aos 88 anos, em Nova York, por consequência de uma infecção generalizada, o jornalista e escritor norte-americano Tom Wolfe marcou a história da imprensa do século 20 como um dos pais do chamado New Journalism (Novo Jornalismo), movimento também conhecido como Jornalismo Literário.

Difundido por repórteres e cronistas geniais como Wolfe, Norman Mailer, Truman Capote e Gay Talese, o novo gênero foi estabelecido e consagrado a partir de matérias de fôlego, ensaios e livros-reportagens com narrativas que adotavam os melhores recursos estilísticos do universo ficcional sem abrir mão da premissa jornalística de retratar a verdade com imparcialidade.

Ao lançar mão da subjetividade para tecer retratos da realidade sociopolítica dos Estados Unidos em detrimento da objetividade pragmática do jornalismo factual, autores como Wolfe, Talese, Capote e Mailer exerceram papel análogo ao dos melhores historiadores de seu tempo no cumprimento de documentar as transformações comportamentais experimentadas pela sociedade norte-americanal no século 20.

Nascido em Richmond, no estado da Virginia, cansado das perspectivas medianas de sua cidade natal, depois de graduar-se em Priceton, Nova Jersey, e defender um doutorado em Estudos Americanos na Universidade de Yale, em Connecticut, Wolfe migrou para a capital federal dos Estados Unidos em 1959. Por lá, começou a fazer história no jornal The Washington Post. Em 1962, partiu de vez para Nova York, onde trilhou caminho ainda mais ascendente no The New York Herald Tribune.

Em 1963, em colaboração para a revista Esquire, Wolfe causou frisson na imprensa local ao publicar um ensaio divisor, pela estética e densidade incomuns com que retratou dois personagens símbolos da obsessão norte-americana por automóveis, Ed “Big Daddy” Roth, considerado um dos pais da cultura hot rod de carros envenenados e criador do personagem Rat Fink, e George Barris, designer de automóveis que assinou o antológico projeto do primeiro Batmóvel.

Em 1965, o ensaio – intitulado The Kandy-Kolored Tangerine-Flake Streamline Baby (algo como O Carrão de Racha Floco de Tangerina Cor de Doce) –  daria nome ao primeiro livro de Wolfe, uma compilação de suas primeiras reportagens, perfis, artigos e ensaios – na verdade, o título é uma abreviação do original, ainda mais extenso e permeado de onomatopeias: There Goes (Varoom! Varoom!) That Kandy-Kolored (Thphhhhhh!) Tangerine-Flake Streamline Baby (Rahghhh!) Around the Bend (Brummmmmmmmmmmmmmm)….

Entre outros temas, Wolfe também retratou a corrida espacial norte-americana (em Os Eleitos, adaptado para o cinema por Philip Kaufman e protagonizado pelo também escritor Sam Shepard) e a dinastia yuppie consolidada na Nova York dos anos 1980 (no romance A Fogueira das Vaidades, também vertido para a telona, com direçãodo mestre Brian De Palma e Tom Hanks no papel principal).

Sem se curvar ao critério de imparcialidade como um dogma, o jornalista jamais se privou de expressar sua acidez no retrato de alguns de seus personagens. Caso notório dessa prática é o ceticismo com que narrou a adesão de parte da elite norte-americana a pautas progressistas como o movimento Black Panther, tema de Radical Chic, ensaio de 1970 centrado em um jantar oferecido pelo compositor e maestro Leonard Bernstein para disseminar apoio à causa dos militantes radicais dos direitos civis dos negros.

Empatia diametralmente oposta à usual acidez de Wolfe foi manifestada em um de seus maiores clássicos, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico, um catatau de quase 500 páginas em que ele retratou a tresloucada itinerância de um grupo de jovens batizado de Merry Pranksters (em tradução livre, “festivos gozadores”).

Liderada pelo escritor Ken Kesey, a trupe pretendia difundir o consumo do LSD como agente transformador da sociedade norte-americana por meio da “expansão da consciência”, experiência batizada pro Kesey de “testes do ácido”. A excursão com propósito de expansão deveria culminar em um filme, mas essa foi apenas uma das intenções iniciais que sofreram desvio de rota durante a epopeia mentecapta dos Pranksters (em 2011, no entanto, registros da viagem culminaram no documentário Magic Trip: Ken Kesey's Search For a Kool Trip, de Alex Gibney e Alison Ellwood; informação posteriormente encaminhada a este repórter pelo amigo Carlos Minuano, também jornalista – veja o trailer do filme).

Cronologia lisérgica

Em um álbum falado, homônimo e lançado em 1966, o psicanalista Timothy Leary cunhou a expressão “turn on, tune in & drop out” (algo como “se ligue, entre em sintonia e caia fora”). No ano seguinte, a sentença reverberou novamente com amplitude, em discurso proferido por Leary na abertura do Human Be-In, encontro que reuniu mais de 30 mil hippies no Golden Gate Park, em San Francisco.

O bordão provocativo foi então adotado por jovens de todo o mundo para resumir os ideais libertários da contracultura e a experiência transcendental propiciada pelo uso da substância cientificamente conhecida como Ácido Lisérgico Dietilamida, o famigerado LSD, sintetizado e "descoberto" acidentalmente em 1943 pelo cientista Albert Hoffmann, durante um trivial passeio de bicicleta.

Na transição de 1967 para 1968, veio o chamado Verão do Amor, e o uso de LSD fugiu de controle. Milhares de hippies, de costa a costa dos Estados Unidos, passaram a atuar como agentes multiplicadores da cultura lisérgica difundida por Leary. Situação que alardeou nas autoridades americanas a urgência de dar logo um fim à viagem da turma (ou não, parafraseando Caetano Veloso).

ken-kesey-1024x737-600x432 A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O psicanalista Timothy Leary (à esq.) e o escritor Neal Cassady retratados, no interior do ônibus, pelo poeta Allen Ginsberg, em 1964. Foto: Reprodução / Twitter

 

Até 1966, com o aval científico de pesquisadores como Leary, que primeiramente fez experimentos fechados em alguns de seus pacientes, o LSD foi vendido em farmácias dos Estados Unidos com a simples exigência de prescrição médica para fins psiquiátricos. A substância era distribuída em todo o país pela indústria farmacêutica Sandoz (liberação que, aliás, inspirou A Girl Named Sandozcomposição psicodélica da banda The Animals, ouça).

Mesmo com a substância banida das prateleiras das farmácias, o LSD continuou a ser difundido em círculos clandestinos por meio de laboratórios químicos caseiros e traficantes que forneciam a droga embebida em cartelas multicoloridas, micropontos e em soluções líquidas.

a945959dc5853673c383c237a7d4a858-600x400 A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O ônibus original de Kesey sendo preparado para uma apresentação musical e mais um teste de LSD. Foto: Reprodução / Twitter

 

Nos dias inaugurais e festivos de liberação, um experimento coletivo divisor para o movimento migratório feito pelo LSD, que saiu do ambiente científico para tornar-se combustível de transe generalizado da geração Flower Power, foi tema de O Teste do Ácido do Refresco Elétrico, publicado por Wolfe em 1968.

No livro-reportagem o iconoclástico repórter, notório por seus trajes brancos, narra a sucessão de aventuras vividas na estrada pelo Merry Prankters. Liderados pelo escritor Ken Kesey, autor do clássico Um Estranho no Ninho, os Pranksters se reuniram em 1962, para, entre outras pirações, dar início a experiências embrionárias de uso coletivo e recreativo de LSD em uma comunidade alternativa sediada em uma chácara em La Honda, na Califórnia, comprada por Kesey com os direitos autorais da adaptação do livro para o teatro na Broadway.

Dois anos mais tarde, em junho de 1964, os Pranksters empreenderam uma viagem sem precedentes – em duplo sentido literal: Kesey decidiu comprar um velho ônibus escolar fabricado em 1939, fez nele uma série de pinturas psicodélicas e adaptações, como incluir um sistema de áudio para que os músicos da trupe pudessem “transar” um som no teto do veículo, e caiu na estrada com sua trupe.

Tendo o neologismo “furthur” como destino (possível trocadilho entre as palavras além e futuro), municiado de muito LSD líquido diluído em jarras de suco de laranja, Kesey também escalou para alternar o volante do coletivo o escritor beat Neal Cassady, autor de O Primeiro Terço e inspirador do personagem Dean Moriarty, de On The Road, a obra-prima de Jack Kerouac.

tom-wolfe-600x338 A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O escritor e jornalista norte-americano Tom Wolfe. Foto: Reprodução / Twitter

O drop out de Kesey e seus discípulos lisérgicos tinha um propósito bem definido: cruzar o máximo de cidades ao sul dos Estados Unidos e identificar voluntários dispostos a realizar os chamados “acid tests” (daí o “teste do ácido” no título do livro de Wolfe).

Ao documentar rotas da acid trip, Wolfe fez um dos relatos definitivos para se compreender a ascensão do psicodelismo e do desbunde que culminou na disseminação global da cultura hippie da segunda metade dos anos 1960. De quebra, no âmbito da música, também escancarou a influência do rock lisérgico da cena de San Francisco, de bandas como Grateful Dead, Jefferson Airplane e Quicksilver Messenger Service, para artistas europeus como os Beatles, os Rolling Stones, o The Who e o Pink Floyd.

Obrigatório para os amantes do bom jornalismo, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico reitera o papel da contracultura como agente de transformação social durante os anos 1960, a década que, se não conseguiu mudar o mundo, inquestionavelmente impactou o porvir com o exemplo de jovens que defenderam suas paixões, suas convicções e anseios com todas as garras, com o coração pleno de valores fraternais e os sentidos abertos e aflorados para o novo. No Brasil, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico foi publicado pela Companhia das Letras, e pode ser facilmente encontrado.

Em 2014, em celebração aos 50 anos da jornada lisérgica iniciada em 17 de junho de 1964 por seu pai, falecido em 2001, Zane Kesey, filho de Ken e Norma Faye Haxby, que era um garoto de apenas 3 anos quando ajudou a trupe dos Pranksters a colorir o velho ônibus, decidiu cruzar algumas estradas dos Estados Unidos ao longo de 75 dias com uma réplica do veículo.

A nova expedição, bem distante da porralouqice original, foi viabilizada por meio de uma vaquinha online, com colaborações a partir de US$ 200, aderida por simpatizantes do espírito transgressor de Kesey, neófitos da contracultura, hippies nostálgicos dos tempos de loucura, além de fãs de primeira hora do Grateful Dead, que "transou um som" – para usar uma expressão da época – no desbundado busão quando ainda viviam dias embrionários e atendiam pela alcunha The Warlocks.

A excursão comemorativa também rendeu um documentário, dirigido por Lindsay Kent e Colby Rex O'Neill, que ganhou o nome de Going Furthur (veja abaixo o trailer) e contou com a presença de pranksters originais, como Ken Babbs, espécie de guru da trupe, George Walker, Wavy Gravy e Lee Quarnstrom.

MAIS

Ouça uma seleção de artistas brasileiros influenciados pela estética do psicodelismo. Na compilação do repórter Gabriel Alves, apresentamos 30 canções disponíveis no acervo do Spotify, além de registros exclusivos do Showlivre. Inscreva-se em nosso canal e acesse mais de 5 mil gravações derivadas de nossas transmissões ao vivo.

 

Lançamentos Showlivre! Exalta, Vitinho, SNJ, Vagninho Matias, Jardel Queiroga e Grupo Kakurerê

Lançamentos Showlivre! Exalta, Vitinho, SNJ, Vagninho Matias, Jardel Queiroga e Grupo Kakurerê (Foto: Aline Oliveira)

Samba, pagode, rap… confira alguns dos últimos lançamentos do Showlivre!

Postado em 14/06/2019 por

Separamos alguns dos últimos lançamentos do Showlivre.com, confira!

EXALTA | A partir de 01 de fevereiro de 2018, passou a usar como sua marca simplesmente o nome Exalta, a partir da ideia que a simples presença de Thell e Brilhantina, dois dos fundadores do Exaltasamba em sua versão iniciada em novembro de 1986, já identifica prontamente ao público em geral que o Exalta é a continuidade de mais de 30 anos de história de um trabalho que havia sido paralisado em fevereiro de 2012, quando saíram do grupo três de seus componentes para suas carreiras em trabalhos solo.

“Foi Nada” é um dos singles lançados pelo Exalta em 2019. A música, que acabou de ganhar uma nova versão ao vivo e EXCLUSIVA no Estúdio Showlivre, já acumula centenas de milhares de plays nas plataformas digitais e faz parte do primeiro álbum lançado com a nova formação do grupo.

Assista a “Foi Nada” ao vivo no Estúdio Showlivre:

Links para o single ao vivo do Exalta nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2KQWhE3
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

VITINHOVitinho ganhou projeção no cenário musical com o Grupo Disfarce, tendo como seu primeiro sucesso a música “22 Minutos”. O talento de Vitinho também está registrado no repertório de outros artistas que gravaram suas composições, entre eles Pique Novo, Exaltasamba, Sociedade do Samba, Sam Alves e Pedro Lima (ambos do The Voice Brasil).

Confira ao clipe de “Traição” ao vivo no Estúdio Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de VITINHO nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2wtZBMT
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

SNJ | O SNJ já lançou quatro álbuns e foi premiada no Hutúz. Fez shows com artistas e grupos como RZO, De Menos Crime, Z’África Brasil ePosse Mente Zulu. Em 1998, veio o primeiro single do grupo chamado “SNJ – A Sigla”. Em 2001, foi lançado o primeiro álbum: Se tu Lutas, tu Conquistas; no mesmo ano, a banda foi indicada ao MTV Video Music Brasil na categoria “Melhor videoclipe de rap” com “Viajando na Balada”, ainda em 2001, venceu a categoria “Melhor Artista Solo ou Banda” do Prêmio Hutúz.

A música “Seguir em Frente”, do clássico grupo de rap nacional SNJ, foi lançada em 2015 pelo Rapbox, onde conquistou centenas de milhares de plays nas plataformas digitais, agora em 2019 ela ganha sua primeira versão ao vivo no Estúdio Showlivre. SNJ (sigla de Somos Nós a Justiça) grupo de RAP formado em 1996, composto por Sombra, Bastardo, Cabeça, Cris e Rebelde.

Confira ao clipe de “Seguir em Frente” ao vivo no Estúdio Showlivre, estreia este sábado:

Links para apresentação ao vivo de SNJ nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2VmY4lS
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

VAGNINHO MATIAS | Romântico, carismático e de uma voz encantadora, Vagninho Matias é daqueles artistas que conquistaram um público fiel e cativo. Ele foi atração do Estúdio Showlivre dia 15 de maio de 2019.

Confira apresentação de Vagninho Matias ao vivo no Estúdio Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de VAGNINHO MATIAS nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2WFO5Zz
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

JARDEL QUEIROGA | Músico, cantor e compositor, Jardel Queiroga é morador de São Bernardo do Campo no ABC Paulista, aos 11 anos de idade já fazia bailes de garagem com um aparelho de som do seu pai, ganhou um cavaquinho da mãe e ali na rua onde morava aprendeu os primeiros acordes olhando os mais experientes tocar, e em 1993, ainda criança, fundou o Grupo Opinião e por lá ficou 25 anos de sua carreira. Atualmente em carreira solo, Jardel Queiroga foi atração do Release Showlivre.

Confira ao clipe de “Boa Sorte” ao vivo no Release Showlivre, estreia este sábado:

Links para apresentação ao vivo de JARDEL QUEIROGA nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2XwJdY0
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

GRUPO KAKURÊ | O Grupo Kakurê foi criado no ano 2009 através de um grupo de amigos que estudavam com o professor de cordas Mangueira no qual já se conheciam á bastante tempo com a formação de 8 componentes, a formação atual do grupo é de 6 componentes.

Assista a apresentação completa do Grupo Kakurê no Release Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de GRUPO KAKURÊ nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2KanNNt
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

Ana Cacimba faz show no Teatro Clara Nunes e lança single “Todas de Mim”

Considerada uma das grandes revelações da música popular brasileira, cantora baseia seu repertório em ritmos como coco, ciranda e maracatu

Postado em 12/06/2019 por

No sábado, dia 15 de junho, o Teatro Clara Nunes recebe a cantora e compositora Ana Cacimba. O show, embalado por ritmos como coco, ciranda e maracatu, celebra a poética da cultura popular afro-ameríndia, destaca um discurso político engajado e conecta forças femininas ao redor de suas inúmeras lutas e atos diários de resistência.

No repertório, canções como “Vento de Oyá”, “Delicadeza” e “Filha de Pemba” prometem colocar o público para dançar.

Na mesma noite, Ana Cacimba apresenta a inédita “Todas de Mim”.

Para as execuções ao vivo, artista será acompanhada por DJ Preto EL, Gil Capistrano (voz e percussão), Wanderson Mendonça (voz e guitarra) e Tomtom (baixo).

“O peso da percussão e a força dos cantos tradicionais são fortes características do meu trabalho, mas, dessa vez, teremos algumas novidades. Além da mistura com riffs de guitarra, que trazem tanto a distorção do rock quanto o charme do brega, decidimos incluir metais e alguns elementos eletrônicos”, ressalta.

Nascida na periferia do ABCD Paulista, em Diadema, Ana iniciou sua vida artística aos doze anos de idade, no teatro. Aos dezesseis, passou a dedicar-se ao universo musical e, desde então, segue descobrindo e redescobrindo suas forças ancestrais.

SERVIÇO
Ana Cacimba faz show no Teatro Clara Nunes e lança single “Todas de Mim”
Data: 15 de junho de 2019
Horário: 20h
Endereço: Rua Graciosa, 300 | Centro de Diadema, São Paulo
Entrada: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)
Duração: 50 minutos

Konai lança “Pico De Adrenalina”, primeiro videoclipe de seu novo álbum “Petricor”

Konai lança “Pico De Adrenalina”, primeiro videoclipe de seu novo álbum “Petricor” (Foto: Deko Araujo)

Primeiro álbum da carreira de Konai será lançado nesta sexta-feira (31)

Postado em 29/05/2019 por

Konai lançou hoje o primeiro clipe de seu novo álbum. Com direção de Cauê Tarnowski e realização por Digital Music Brasil, “Pico De Adrenalina” é o primeiro single de seu noovo álbum, “Petricor”,que será lançado nesta sexta-feira, 31 de maio. O single promete surpreender seus seguidores que estavam em abstinência desde março desse ano com o clipe de “Fire”.

“Petricor” traz 10 faixas e é o primeiro álbum de Konai. O álbum estará disponível nas plataformas digitais a partir desta sexta-feira (31).

O artista comenta a expectativa para esses grandes lançamentos: “Pico de Adrenalina é a primeira impressão que as pessoas vão ter do álbum, então cada comentário vai ter uma grande importância, e isso cria uma grande expectativa”, declara.

Vejam “Pico De Adrenalina”:

Recentemente o jovem multi-instrumentista fez uma audição especial do álbum, foram selecionadas 15 pessoas para escutarem em primeira mão todas as músicas novas, em uma imersão com direito a efeitos especiais de chuva e neblina, causando um efeito real do fenômeno petricor, nome do aroma que a chuva provoca ao cair em solo seco.

Konai é um dos novos talentos de uma das novas vertentes conhecidas como ‘Rap romântico’ no país. Com apenas 17 anos de idade e dois anos de carreira, o jovem ganhou destaque no mercado fonográfico pela identidade única em suas canções que trazem uma pegada com sonoridades do Rap, Indie Music, R&B e Hip Hop Americano. Além de compor, o artista também produz suas músicas que atualmente ultrapassam a marca de 140 milhões de plays.

 

 

Show em homenagem a Angela Maria é destaque na programação do Sesc Vila Mariana

O Espetáculo “Sempre Angela” conta com participação de Alcione, Wanderléia, Fillipe Catto e as Bahias e a Cozinha Mineira

Postado em por

No segundo fim de semana de junho, dias 6, 7 a 8 de junho, o Sesc Vila Mariana recebe o show “Sempre Angela”, tributo à cantora Angela Maria com direção de Ricardo Cravo Albin e Ronaldo Rayol. As apresentações contam com a participação de grandes artistas como Alcione, Agnaldo Rayol, Wanderléia, Filipe Catto, As Bahias e a Cozinha Mineira entre outros. Os ingressos serão vendidos a partir do dia 28 no Portal SescSP, com preços que variam de R$ 12 a R$ 40.

Angela Maria nasceu em 1929 como Abelim Maria da Cunha, mas adotou seu nome artístico para participar dos programas de calouros, sem sua família não descobrir. Filha de pais protestantes, teve no coral da igreja o seu primeiro palco, mas só na Rádio Mayrink, no final dos anos 50, que alcançou proporções nacionais. Nessa década gravou seu primeiro sucesso, “Não tenho você”, e foi duplamente apelidada: pelo então Presidente Getúio Vargas recebeu o nome de Sapoti, pois tinha a “voz doce e a cor do sapoti”, assim como a fruta; já pelo público foi nomeada como a “rainha do rádio”. Os anos 60 são lembrados pela irregularidade no seu trabalho, com a ascensão da MPB foi duramente criticada pelos especialistas, sendo chamada de ultrapassada. Com a gravação de “Gente humilde”, trabalho inacabado do compositor Garoto e com letra de Vinícius de Moraes e Chico Buarque, Angela Maria retomou o respeito da indústria fonográfica e o sucesso. Gravou em toda sua carreira 48 álbuns, sendo um dos destaques o trabalho “Amigos”, no qual dividiu o palco com Roberto Carlos, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Chico Buarque, entre outros. A obra rendeu uma série na TV Globo e vendeu mais de 500 mil cópias. Em 2018 foi programada a gravação do disco “o quinto”, com participação do diretor deste show, Ronaldo Rayol, mas que devido a saúde frágil da cantora nunca foi concretizado.

Ouça o primeiro sucesso de Angela Maria, “Não Tenho Você”:

O espetáculo “Sempre Angela” é composto por 3 apresentações, cada uma contando com um grupo de convidados que cantarão sucessos da artista. Dirigido por Ricardo Albin, historiador, musicólogo e considerado um dos grandes pesquisadores do Brasil, teve a oportunidade de dirigir Angela Maria no show “Os 100 anos de Dalva de Oliveira”. Também na direção Ronaldo Rayol, irmão de Agnaldo Rayol, é cantor e compositor, participou de festivais como o MPB Shell da TV Globo. Acompanhou como instrumentista, Cláudia Teles, Peninha, Wilson Simonal, Zé Kéti, Dinho Nascimento e outros.

Programação Sempre Angela:

Dia 06/06 (quinta) às 21h

Alcione, Ayrton Montarroyos e Claudette Soares (repertório: Vida de Bailarina, Orgulho, Adeus querido, Tango pra Tereza, Balada Triste, Abandono, Fósforo queimado).

Dia 07/06 (sexta) às 21h

Wanderléa, Filipe Catto, As Bahias e a Cozinha Mineira e Eliana Pittman (repertório: Gente humilde, Nem eu, A chuva caiu, Rancho das namoradas, Rua sem sol, Terra Seca, Vingança, Miss Suetter, Por causa de você).

Dia 08/06 (sábado) às 21h

Tânia Alves, Joanna, Márcio Gomes e Alaíde Costa (repertório: Babalu, Cinderela, Lábios de mel, Garota solitária, Falhaste coração, A lua é dos namorados, Fala Mangueira, Retalhos de cetim, Inspiração).

Serviço:

Sempre Angela

Direção de Ricardo Cravo Albin e Ronaldo Rayol

Local: Teatro Antunes Filho (620 lugares)

Não recomendado para menores de 12 anos

R$ 12 (Credencial Plena) l R$ 20 (meia) l R$ 40 (inteira)

Sesc Vila Mariana | Informações:
Telefone: 11 5080-3000
sescsp.org.br
Facebook, Twitter e Instagram

Lançamentos! Xaga, Luiza Casé, Gustavo da Lua e A 25ª Experiência

Lançamentos! Xaga, Luiza Casé, Edgar, Gustavo da Lua e A 25ª Experiência (Foto: Elias Mast)

Do rap ao progressivo, algumas novidades da música brasileira, confira!

Postado em 28/05/2019 por

XAGA | Nome em ascensão no rap carioca, Xaga abre o coração em seus versos e divide ansiedades, angústias e um olhar afiado sobre a cidade e a busca por seus objetivos. Mirando alto em seus sonhos, ele lança “Asas de Ouro”, seu álbum de estreia. O projeto conta com participação de Sant, Ghetto ZN, Paige e DJ Erik Skratch e está disponível em todas as plataformas digitais.

Assista ao clipe de “Guerra Infinita”:

LUIZA CASÉ | A cantora e atriz Luiza Casé lançou recentemente o seu primeiro EP, que leva seu nome. O lançamento traz três faixas que mostra grande influência de MPB. Lançado pela Universal Music, o EP teve produção de Arto Lindsay e Thiago Nassif.

Assista ao clipe de “Me Leva”:

GUSTAVO DA LUA | O novo álbum de Gustavo Da Lua está disponível em todas as plataformas digitais, com sonoridades variadas como a nordestina, a caribenha e africana. “Homônimo” é o segundo álbum da carreira solo de Gustavo da Lua.

Assista ao lyric video de “De Boca em Beco”:

A 25ª EXPERIÊNCIA | Com nova formação e mais referências musicais, A 25ª Experiência acaba de lançar o novo compacto digital – com duas músicas – pela Abraxas Records. “Alquímica” e “Oh! Man! Estourei me chinelo” são duas composições que condensam a verve do rock anos 70, mas sem tirar os pés dos dias atuais, e completa tudo com fuzz, órgãos, pianos elétricos e sintetizadores.

Ouça a faixa “Alquímica”:

Boca Livre lança “Viola de Bem Querer”

Boca Livre lança “Viola de Bem Querer” (Foto: Leo Aversa)

13º álbum do grupo vocal terá shows de lançamento 31 de maio e 1º de junho, no Teatro Rival Petrobras no Rio

Postado em por

A inconfundível assinatura vocal do Boca Livre volta a soar em “Viola de Bem Querer”, 13º álbum do icônico quarteto carioca, disponível em mídias físicas e digitais, com distribuição da ONErpm. O lançamento nos palcos começa pelo Rio de Janeiro: nos dias 31 de maio (sexta) e 1º de junho (sábado), às 19h30, eles se apresentam no Teatro Rival Petrobras, na Cinelândia.

Em atividade desde 1978, o grupo é formado David Tygel (voz e viola de 10), Lourenço Baeta (voz, violão e flauta), Mauricio Maestro (voz e baixo) e Zé Renato (voz e violão). Após seis anos sem novas gravações, o quarteto realça nas nove faixas do CD a sonoridade que o fez surgir no cenário musical brasileiro de forma ousada e simples, calcada na junção de quatro vozes, de timbres distintos, com violões, viola e baixo, basicamente.

“Suor e prazer, palavras que simbolizam, para mim, a chegada deste novo trabalho. Após seis anos sem lançar um álbum e 41 desde o início da nossa formação, olhamos para nós mesmos, sem compromisso algum com regras ou tendências do mercado, postura adotada desde o primeiro disco. Estamos munidos com o que sabemos fazer melhor: cantar um repertório que foi escolhido com o rigor habitual e que nos inspirou a chegar em um resultado, antes de mais nada, prazeroso. O prazer de cantar juntos é o que nos move. Assim foi e sempre será”, explica Zé Renato.

Com direção musical do próprio quarteto e arranjos vocais de Mauricio Maestro, o repertório contempla composições autorais, como “Santa Marina” (Lourenço Baeta / Cacaso), “Noite” (Zé Renato / Joyce), “O Paciente” (David Tygel) e “Eternidade” (Mauricio Maestro), além de releituras de clássicos como “Amor de Índio” (Beto Guedes / Ronaldo Bastos), “Um Violeiro Toca” (Almir Sater / Renato Teixeira) e “Vida da Minha Vida” (Moacyr Luz / Sereno). Há espaço também para a composição recém-lançada por Geraldo Azevedo, “Um Paraíso Sem Lugar”, dele com Fausto Nilo, e para a regravação de “Viola de Bem Querer” (Paulo Cesar Pinheiro / Breno Ruiz), que dá nome ao disco.

Além do quarteto, um time de músicos convidados participou da gravação do álbum: Pantico Rocha (bateria), João Carlos Coutinho (piano elétrico e acordeon), Bernardo Aguiar (pandeiro), Thiago da Serrinha (percussão) e Marcelo Costa (percussão). Nos shows no Rio de Janeiro, João Carlos Coutinho e Lucas Videla (percussão) acompanham o Boca Livre.

Ouça “Viola de Bem Querer”:

Gabriel Diniz, cantor do hit ‘Jenifer’, morre aos 28 anos em queda de avião

Gabriel Diniz, cantor do hit ‘Jenifer’, morre aos 28 anos em queda de avião (Foto: Rubens Zerqueira/Divulgação)

Acidente aconteceu nesta segunda em Estância (SE)

Postado em 27/05/2019 por

O cantor Gabriel Diniz, que ficou conhecido pelo hit “Jenifer”, morreu nesta segunda-feira (27), aos 28 anos, na queda de um avião de pequeno porte no povoado Porto do Mato, em Estância, na região sul de Sergipe.

Segundo informações fornecidas Polícia Militar, há três mortos: além de Gabriel Diniz, foram identificados Linaldo Xavier e Abraão Farias, pilotos e diretores do Aeroclube de Alagoas. Inicialmente, o Grupamento Tático Aéreo (GTA) havia informado que eram quatro ocupantes na aeronave, que decolou de Salvador e tinha como destino Maceió.

Assista ao clipe de “Jenifer”:

A Universal Music publicou uma nota oficial sobre o falecimento do cantor, confira:

É com imenso pesar que recebemos a confirmação do trágico e precoce falecimento do cantor e compositor Gabriel Diniz, que integrava o cast da Universal Music Brasil.

“Um dos maiores artistas em ascensão no Brasil, talentoso demais, um ser de muita luz, uma das pessoas mais alegres que conheci em toda a minha vida. A família Universal Music chora por sua partida. Descanse em paz meu amigo. Que as suas músicas fiquem eternizadas e nos ajudem a amenizar essa nossa dor. Muita força e conforto para todos os familiares e amigos”, lamenta Paulo Lima, presidente da companhia.

Conhecido pelo seu inigualável carisma e alegria nos palcos e fora deles, Gabriel Diniz também arrebatou uma legião de fãs pelo Brasil. No início deste ano, o cantor lançou o seu maior sucesso, “Jenifer”, que conquistou de vez o país.

Consternada com essa triste notícia, a Universal Music Brasil se solidariza com a família e amigos do cantor, que completaria 29 anos no dia 18 de outubro de 2019, além dos demais tripulantes da aeronave.

Lançamentos! DNSM, Selva, Chameleo, Pedro Thomé, Victor Cronos e Taboo

Lançamentos! DNSM, Selva, Chameleo, Pedro Thomé, Victor Cronos e Taboo (Foto: Bruno Ishihara)

Confira algumas novidades do cenário nacional

Postado em por

Separamos alguns destaques e lançamentos do cenário nacional com diferentes influências. Confira!

DNSM | Formada em 2018 na cidade de São Paulo, DNSM tem como influencias Chemical Brothers, Depeche Mode, Secos e Molhados e Mutantes , com atmosfera singular, belas melodias e sintetizadores. O grupo é formado por guitarra, vocais e sintetizadores, sem perder em nada para bandas que utilizam o modelo clássico de apresentação.

Recentemente eles lançaram o EP “Devaneios de Uma Mente Ordenada”, disponível nas plataformas digitais. O EP foi gravado, mixado e masterizado por Ronaldo Rossato no Estúdio Garagem City. O primeiro single foi lançado com um lyric video que teve arte e direção de Handel Meireles (Cafofo Filmes).

A DNSM será atração do Release Showlivre dia 12/05 as 14h, com transmissão aqui no Showlivre.com!

Confira o lyric video de “Ponto de Gira”:

SELVA | Após voltarem de uma turnê pela Ásia, Pe Lu e Brian, artistas que formam o Selva, estão lançaram o clipe da música “Amanhecer”, disponível em todas as plataformas digitais. A track é o primeiro lançamento dos artistas com a Universal Music, uma das maiores gravadoras do mundo, e representa um importante passo na carreira dos artistas.

Assista ao clipe de “Amanhecer”:

CHAMELEO | Nome que chama atenção no cenário indie e pop nacional, o curitibano Chameleo lança o EP “utopiaTABOO” após chamar atenção com clipes como “Carne” e “colorBLIND”. Agora, ele solidifica sua sonoridade com o álbum de estreia, que ganha também o clipe para a faixa “Limbo”. A canção e o vídeo retratam um momento entre a vida e a morte do próprio artista, que enfrentou um câncer recentemente.

Confira aqui o clipe de “Limbo”:

PEDRO THOMÉPedro Thomé lançou o clipe de “Chance Zero”, seu novo single, um reggae pop composto por Elan Rúbio, Marcello Henrique e Danillo Davilla. “Não via a hora de divulgar essa música. Acredito que a galera vai gostar bastante! Além de ser uma música pra cima, “Chance Zero” tem algo ingênuo, mas que no fundo passa uma mensagem muito legal”, conta Pedro.

VICTOR CRONOS | O cantor e compositor Victor Cronos lançou o videoclipe do single “Underground”. Do interior do Rio Grande do Norte para São Paulo, o artista quis dar vida à música filmando em lugares que viveu sua infância e adolescência, em Ceará-Mirim. E para que o trabalho ficasse o mais fiel possível as suas ideias e suas ousadias – transportar o espectador às paisagens por ele recriadas – fez questão de idealizar e assinar, além do roteiro, a direção artística, fotografia e figurino.

Assista ao clipe de “Underground”:

TABOO | Uma viagem psicodélica feita por camadas de recortes e memórias para retratar as dualidades e inseguranças de um relacionamento marca o novo lançamento da banda Taboo. “Entre Cortes e Jornais” foi realizado em um formato simulando a estética de colagem em uma animação criada por Jojo Hissa. A faixa está disponível nas plataformas de música digital como parte do EP de estreia, “Valência”.

Assista ao clipe de “Entre Cortes e Jornais”:

 

Dead Fish lança “Sangue Nas Mãos”, primeiro single de seu novo álbum

Dead Fish lança “Sangue Nas Mãos”, primeiro single de seu novo álbum (Foto: Marcelo Marafante)

Um dos principais nomes do hardcore nacional, banda lançou lyric video do novo trabalho

Postado em 24/05/2019 por

Após três anos, a banda Dead Fish retorna com o seu novo álbum de estúdio, “Ponto Cego”. O primeiro single do disco, “Sangue nas Mãos” (Rodrigo Lima/Ric Mastria/Marco Melloni/Alvaro Dutra), está disponível nas plataformas digitais.

Gravada no Estúdio Tambor (RJ), a faixa — assim como o resto do álbum — possui produção de Rafael Ramos. Os processos de mixagem e masterização foram realizados nos EUA por Bill Stevenson (Descendents, Black Flag, ALL) e Jason Livermore, respectivamente.

Além disso, a música chega também com um lyric video. Assista:

Com Rodrigo Lima (voz), Ric Mastria (guitarra) e Marco Melloni (bateria), o single aborda questões sociais e as mudanças recentes na política brasileira. Em “Sangue nas Mãos”, o Dead Fish reforça sua vocação ao hardcore que consagrou a banda, com poderoso instrumental de ritmo acelerado alinhado aos inconfundíveis vocais de Rodrigo Lima.

O lyric video, dirigido por Pedro Hansen, traz a letra da música acompanhada de diversas ilustrações que dialogam visualmente com o seu conteúdo. A arte — autoria de Flávio Grão — faz várias referências ao título do álbum e inclui também a ilustração que é a capa do disco. “Ponto Cego” será lançado no final de maio nas plataformas digitais e em CD, vinil e cassete.

O Dead Fish foi uma das atrações do GIG Showlivre, confira a apresentação, que aconteceu em São Paulo, na íntegra:

Lançamentos Showlivre! Yma, Mad Monkees, Polako e Sr. Garvim

Lançamentos Showlivre! Yma (foto), Mad Monkees, Polako e Sr. Garvim (Foto: Pietá Rivas)

Destaques da nova cena musical nacional são lançamentos da semana, confira!

Postado em por

Sexta-feita é o dia dos lançamentos da semana! Confira os trabalhos dos artistas que passaram recentemente pelo SHOWLIVRE.COM!

YMA | Com formação artística bastante integrada, YMA desenvolve seu processo criativo através de diversas linguagens até chegar na música. Suas produções procuram investigar as inquietações do inconsciente e canalizar o mundo que absorve com sua voz suave e doce, em ritmos embalados por sintetizadores, mistério dark e música pop.

Confira Yma no Estúdio Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de YMA nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2JEs3UQ
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

MAD MONKEES | Quarteto de Rock formado em 2015 por músicos de Fortaleza, Mad Monkees traz um som firme, maduro e bem executado, deixando claro que além da influência de clássicos do Rock, também incorpora elementos do Rock contemporâneo e música alternativa dos anos 90, além de outros estilos como Blues e Heavy Metal de todas as gerações.

Confira Mad Monkees no Estúdio Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de MAD MONKEES nas plataformas digitais:
Spotify ou Deezer: http://bit.ly/2X0cuKs
Presente também no Apple Music, Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

POLAKO | Polako decidiu focar em seu trabalho solo e autoral em 2018, com mais de 15 anos de estrada, período no qual atuou como “front-man” de diversas bandas. No mesmo ano ele lançou um EP produzido pelo renomado produtor Tadeu Patolla (Charlie Brown Jr, Biquini Cavadão entre outros) de forma independente. O primeiro single, “Viver a Vida”, traz o clima do verão com uma mensagem leve e positiva, abriu as portas em algumas rádios do país. O atual single de Polako, “Segredos”, é destaque em diversas rádios.

Confira Polako no Estúdio Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de POLAKO nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2HyYDoR
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

SR. GARVIM | Formada em janeiro de 2015, Sr. Garvim é uma banda brasileira que nasceu na cidade de Araguari, Triângulo Mineiro, e tem como essência o Rock, que pulsa na veia dos integrantes da banda e alimenta a necessidade de seus músicos expressarem seus olhares sobre os diversos âmbitos que tangem a vida moderna.

Confira Sr. Garvim no Release Showlivre:

Links para apresentação ao vivo de SR. GARVIM nas plataformas digitais:
Spotify ou Deezer: http://bit.ly/2K3Fldg
Presente também no Apple Music, Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.