PAUTA
Informação e música em harmonia

Léo Santana e Thiaguinho juntos em novo single “Pretinho Tipo A”

Léo Santana e Thiaguinho juntos em novo single “Pretinho Tipo A” (Foto: YouTube/Reprodução)

Clipe tem direção de Raphael Vieira e é inspirado no filme “Harlem Nights” (1989)

Postado em 15/05/2019 por

Léo Santana e Thiaguinho se inspiram na década de 1920 para seu novo trabalho, a parceria “Pretinho Tipo A”.

A letra, escrita pelo cantor baiano Léo Santana em parceria com Rafa Chagas, Leonardo Helber e Lucão, conta sobre um jogo de sedução: “Abra essa guarda cê não sabe o que está perdendo/ Sei que você me quer/ Sua amiga me falou/ Lhe mostrou uma foto minha/ E você comentou que eu sou/ Um pretinho tipo A”.

Com direção de Raphael Vieira, o clipe é inspirado no filme “Harlem Nights” (1989) ambientado entre as décadas de 1920 e 1940. Gravado em uma casa no bairro das Laranjeiras, no Rio de Janeiro, o vídeo enaltece a beleza negra e tem participação de grandes nomes, como a Miss Brasil 2016 Raissa Santana e dos atores Cris Vianna, Luana Xavier, Jonathan Azevedo, Rafael Zulu e Thiago Thomé.

Assista ao clipe:

“Estou muito feliz com essa parceria. Thiaguinho é um amigo que tenho uma admiração muito grande e o resultado deu super certo. Tenho certeza que a galera vai curtir muito. Esse foi um clipe feito com muito carinho junto a um time de pessoas incríveis e talentosas. Estou muito grato e ansioso por esse lançamento”, disse Leo Santana.

“É uma grande honra participar desse lançamento com o meu grande amigo Léo Santana! Há algum tempo que estamos tentando gravar juntos e, finalmente, conseguimos. A música é boa demais! Gravamos o clipe no ano passado, no Rio de Janeiro, e o resultado ficou muito bonito. Espero que vocês gostem!”, diz Thiaguinho.

Girl Power: a música brasileira como ferramenta do empoderamento feminino
Showlivre Entrevista: Por que Pabllo Vittar atrai tantos fãs?
15 tweets que mostram o real efeito de Marília Mendonça sobre a vida das pessoas

Matanza Inc lança o álbum “Crônicas do Post Mortem”

Matanza Inc lança o álbum “Crônicas do Post Mortem” (Foto: Divulgação)

O primeiro álbum da banda, uma nova versão do Matanza, traz Vital Cavalcante nos vocais

Postado em 14/05/2019 por

A banda Matanza Inc, que surgiu após o fim do Matanza, lançou seu primeiro álbum.

Crônicas do Post Mortem: Um Guia para Demônios e Espíritos Obsessores” é o primeiro álbum da banda, que é formada por ex-integrantes da banda Matanza, Dony Escobar (baixo), Jonas Cáffaro (bateria), Marco Donida (guitarra), Maurício Nogueira (guitarra) e Vital Cavalcante (voz) agora no lugar de Jimmy London, vocalista na antiga formação e que hoje canta no Jimmy & Rats.

Meses atrás, o Showlivre.com falou com exclusividade sobre a nova fase da banda com Marco Donida, guitarrista, compositor e cérebro da banda. Donida falou sobre a nova fase e as expectativas para o novo lançamento:

“O MATANZA INC foi uma solução para que eu continuasse fazendo música dentro desse formato específico que desenvolvi ao longo dos anos. E também porque a afinidade musical que atingimos tocando juntos esse som é extraordinária!
Eu diria que esse novo material é uma evolução natural dos discos anteriores, uma resposta direta ao “PIOR CENÁRIO POSSÍVEL”. Há sim, uma diferença evidente pela presença do Vital, que soube encaixar sua personalidade ao som com tranquilidade, mas não mudamos proposta da banda. Estamos sim, sempre desenvolvendo, conforme nós mesmos evoluímos como músicos.”

A entrevista completa você confere aqui! 

Você pode ouvir o primeiro disco do Matanza Inc, com participações de nomes como Rodrigo Lima (Dead Fish), Marcello Schevano (Patrulha do Espaço) e Vladimir Korg (The Mist), na íntegra logo abaixo.

Zeca Baleiro lança novo álbum de inéditas, “O amor no caos”

Zeca Baleiro lança novo álbum de inéditas, “O amor no caos” (Foto: Divulgação)

Novo álbum traz participações de Rincon Sapiência, Frejat, Cynthia Luz e Paulinho Moska

Postado em 13/05/2019 por

Zeca Baleiro lançou esse mês “O Amor no Caos (volume 1)”, seu 11º álbum de estúdio, produzido por ele mesmo e sua banda. A capa do álbum destaca a tela “O conquistador”, do pintor maranhense Jesus Santos. Assim como “O Coração do Homem- Bomba” (2008) que rendeu dois volumes, “O Amor no Caos” também terá o seu volume 2, que será lançado no segundo semestre em CD e vinil.

Confira a faixa com Frejat “Te Amei Ali”:

Ao todo são 11 músicas, sendo quatro delas compostas solitariamente e três já lançadas anteriormente. Os singles “Te Amei”, parceria com o amigo Frejat, “Por Minha Rua”, parceria com o uruguaio Dany López e “Pela Milésima Vez”, já gravada pelo parceiro Paulinho Moska no álbum “Beleza e Medo” (2018). Uma curiosidade, apesar da amizade e de já terem feito vários projetos em conjunto, esta é a primeira parceria de Baleiro e Moska.

Confira a faixa com Frejat “Te Amei Ali”:

O disco também traz as participações vocais de Ana A Duártti (“Balada do Amor em Chamas”) e dos novos parceiros Cynthia Luz e Rincon Sapiência. “Mais Leve” é a segunda colaboração de Zeca com Cynthia, com quem compôs e lançou o single “Era uma vez”, incluído também no álbum “Efeito Borboleta” (2019). Já com Rincon, Zeca inaugura parceria com a canção “O Linchador”, que também traz a lavra do poeta maranhense Fernando Abreu, colaborador de longa data, assim como os parceiros poetas Celso Borges (“Balada do Amor em Chamas”) e Joãozinho Gomes (“Dia Quente”).

Em 2014 Zeca Baleiro passou pelo Estúdio Showlivre e deixou essa versão ao vivo de “Telegrama”, confira:

Lançamentos! Emicida, Vanessa da Mata, Lagum com Jão, Riviera e Detonautas com Pelé MilFlows

Lançamentos! Emicida, Vanessa da Mata, Lagum com Jão, Riviera e Detonautas com Pelé MilFlows (Foto: Victor Balde)

Diversos lançamentos, singles e clipes. Confira no Showlivre.com!

Postado em 10/05/2019 por

Sexta-feira é dia de falar de lançamentos no Showlivre.com! Confira alguns dos lançamentos da semana que separamos para vocês!

EMICIDA lança nova música, “Eminência Parda”. Parceria com Dona Onete, Jé Santiago e Papillon é o carro-chefe de divulgação do próximo disco do rapper, ainda sem data de lançamento.

Assista ao clipe de “Eminência Parda”:

VANESSA DA MATA lançará um disco de inéditas ainda este mês. Já em junho a cantora estreará a nova turnê “Quando Deixamos Nossos Beijos na Esquina” com apresentações marcadas em cidades como Salvador (BA) e Rio de Janeiro (RJ). Mas a novidade do dia é o primeiro single deste novo trabalho: “Só você e eu” foi disponibilizada nas plataformas digitais nesta sexta-feira (10):

Assista ao clipe de “Só você e eu”:

LAGUM e JÃO se juntaram no single “Andar Sozinho”. Segundo a própria banda, Jão será a única participação especial do próximo álbum deles, que tem lançamento marcado para 14 de junho.

Assista ao clipe de “Andar Sozinho”:

RIVIERA é composta por Vinícius Coimbra (vocais), David Maciel (bateria), Rapha Garcia (baixo/voz) e Rafa Giácomo (guitarra/voz), com origem em Belo Horizonte (MG). A banda lançou o clipe de “Eloquente”, faixa do álbum “Aquário”, presente em todas as plataformas digitais.

Assista ao clipe de “Eloquente”:

DETONAUTAS e PELÉ MILFLOWS acabaram de lançar nesta sexta-feira um novo single em parceria. A banda de rock Detonautas se juntou ao rapper Pelé MilFlows (1Kilo). A canção “Ilumina o mundo” fala da valorização da vida, ao retratar que em meio a solidão e aos problemas sempre haverá luz para a solução. O CVV – Centro de Valorização da Vida, entidade com 57 anos de história, que oferece apoio emocional gratuitamente pelo telefone 188, apoia a iniciativa dos artistas. O clipe foi rodado em Porto Alegre e na comunidade do Vidigal, no Rio. Tico Santa Cruz assina o roteiro do clipe, em parceria com os diretores Vinicius Barros Goncalves e Tom Silveira, e dos roteiristas Cassio Machado Henrique e Antônio Fountoura.

Assista ao clipe de “Ilumina o Mundo”:

Lançamentos Showlivre! Àttooxxá, Lary, Wagninho, Tuany Zanini e Grupo Meu Jeito

Lançamentos Showlivre! Àttooxxá, Lary, Wagninho, Tuany Zanini e Grupo Meu Jeito (Foto: Pietá Rivas)

Sexta-feira com diversos lançamentos no Showlivre.com, confira!

Postado em por

Sexta-feira cheia de lançamentos no Showlivre! Confira todas as novidades da semana:

ÀTTØØXXÁ nasce da farta obsessão em atingir uma sonoridade que atenda às expectativas sobre a música pop baiana. O projeto contribui para uma revolução que aplaca sem pudor nem piedade os solos da capital. A intenção é, de fato, romper barreiras, principalmente sobre as questões que envolvem gênero, respeito e liberdade.

Essas questões dizem muito sobre a necessidade de incluir a MASSA como protagonista em um novo contexto dentro das manifestações da música baiana, como o Carnaval. A vontade de bater de frente com o que e quem vem sendo destacado e devolver a voz e espaço aos #ÍNDIOS e #NEGROS foi o que uniu Rafa Dias (idealizador e produtor musical), Oz (vocal), Raoni Knalha (vocal) e Chibatinha (guitarrista).

Confira a apresentação na íntegra:

Links para apresentação de ÀTTØØXXÁ nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2E0a2vL
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

LARY é uma cantora e compositora brasileira. Estreou sua carreira musical em 2016, após terminar a faculdade de Engenharia de Produção na UFF. Atualmente, se prepara para lançar o EP “Um Quarto (1/4)”, que tem como primeiro single a faixa “Mapa Astral”, em parceria com o grupo de rap 3030. Ela foi atração do Estúdio Showlivre e o material está disponível em todas as plataformas.

Confira a apresentação na íntegra:

Links para apresentação de LARY nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2VegmFR
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

WAGNINHO, após 27 anos no Grupo Negritude Júnior, está em carreira solo há seis anos. Em 2019 Wagninho vem com grande estilo relembrando os grandes sucessos que fizeram com que hoje sua carreira pudesse chegar onde chegou como “Absoluta”, “Algo de Valor”, Beijo Geladinho”, Cohab City”, “Gente da Gente”, Olhos Vermelhos”, “Tanajura”.

Confira a apresentação Wagninho do Estúdio Showlivre:

Links para apresentação de WAGNINHO nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2DV91VZ
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

TUANY ZANINI é nfluenciada pela MPB, que naturalmente tem uma mescla de gêneros ao redor do mundo, é altamente atraída pela musica negra mundial, R&B, jazz, Soul, Bossa Nova, Samba, e outros gêneros, que revelam uma ecleticidade fundamental para sua construção enquanto compositora e intérprete, dialogando diretamente com uma contemporaneidade trazida por elementos da era digital. Assim, revela uma gama de possibilidades sonoras.

Confira a apresentação de TUANY ZANINI no Estúdio Showlivre:

Links para apresentação de TUANY ZANINI nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2Wy2wQ5
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

____________________________________

GRUPO MEU JEITO é formado por admiradores do gênero samba e pagode e com muita inspiração em grupos de sucesso, Neto Prezuntinho e amigos decidem, em 2010, formar o grupo de pagode Meu Jeito, na cidade de Maracanaú Ceará. Juntos com outros amigos que se juntaram nessa jornada, releram diversos ritmos musicais de sucesso até decidirem lançar composições de autoria própria que se tornariam grandes hits de sucesso, como: Recomeçar, Sambaião, Sai Fora, Rolou um Clima, Uma Semana e Vem Dançar.

Confira a apresentação do GRUPO MEU JEITO no Release Showlivre:

Links para apresentação de GRUPO MEU JEITO nas plataformas digitais:
Spotify, Deezer ou Apple Music: http://bit.ly/2Wy2wQ5
Presente também no Napster, Google Play, Tidal, Amazon, Groove e outros.

Entrevista: Lucas Bê fala sobre processo criativo de novo EP e desafios da carreira

Foto: Rudy Fotografia

Aos 21 anos de idade, o músico sonha em trabalhar com Marisa Monte

Postado em 30/04/2019 por

Apesar da pouca idade, Lucas Bê – um dos novos nomes da música nacional – esbanja maturidade musical e arte consolidada. O músico, que trabalha o lançamento de seu mais recente EP ‘Meu Universo’ conversou com o showlivre.com e, além do processo criativo do material, também contou sobre os desafios que enfrenta ao desbravar uma carreira independente e fez uma análise sobre sua evolução artística. Confira:

Showlivre: Como foi o processo de produção de “Girassol”? Por que o single se destacou para ser o primeiro single do EP?

Lucas: O processo de produção veio de uma história de abuso que uma amiga sofreu. Fiz essa canção em homenagem a ela e ela gostou! Escolhi primeiro  ‘Girassol’ por ter uma característica mais tocante e bem leve. Acredito que seja uma canção que chega a agradar todos os gostos, pois é voltada a ajudar aqueles que precisam.

Showlivre: Como você define o EP “Meu Universo”? Levando em consideração os aspectos sonoros e emocionais do trabalho…

Em vista do outro, ele é mais emocional e profundo do que Hipergigante Azul. Este EP é de fato um pouco do meu universo.

Showlivre: Qual é o maior desafio de ser músico tão jovem? O que você deseja transmitir com a sua arte?

O mais difícil não é ser jovem, mas ser independente, nós que trabalhamos produzindo nossa própria música, enfrentamos  diversas barreiras pelo caminho. Já quanto a ser jovem… É olhar para o passado e ver que eu faria coisas diferentes do que eu realmente fiz.

Showlivre: Fazendo um comparativo do Lucas que lançou “Hipergigante Azul” para o que lança “Meu Universo”, o que mudou?

Antes eu era mais animado, hoje eu já me vejo com uma dosagem legal de maturidade. Comparo a forma como compunha antes e como componho hoje e vejo o contraste entre o Lucas que queria surpreender o público para o Lucas que trabalha com mais simplicidade e carinho.

Showlivre: Qual é sua parceria dos sonhos?

Hmmmm… Eu diria, Marisa Monte.

Showlivre: Como você enxerga sua carreira no futuro? O que te deixaria realizado artisticamente?

No momento, vejo que ser melhor reconhecido por minhas músicas e pela expressividade delas, para mim seria o suficiente. Quero que as pessoas entendam as mensagens expressadas em minhas músicas.

Dj Samhara se apresenta para multidão no mesmo palco que Anitta, Ludmilla e Maiara e Maraísa.

Na setlist, a dj tocou grandes hits como a sua parceria com o Lagum, “Eu Não Valho Nada”

Postado em 29/04/2019 por

A Dj mulher de maior relevância no cenário eletrônico atual brasileiro, Samhara, se apresentou no último sábado (26), em São Paulo, para quase dez mil pessoas, que também curtiram os shows das cantoras Anitta, Ludmilla e Maiara e Maraísa.

Com um palco comandado por mulheres, a Folk Valley, que teve todos os ingressos esgotados, proporcionou ao público uma noite super animada. Samhara subiu ao palco ás 18:45 para um verdadeiro esquenta..

No final da apresentação, como de costume, a mãe da dj Samhara, Marlução, subiu até a cdj e encerrou a apresentação com a faixa que leva seu nome: “Vai Marlução”, uma homenagem da dj a sua mãe que a acompanha em diversas apresentações.

Entrevista: O Terno fala sobre processo criativo e de produção de novo álbum

Tim Bernardes, o líder do grupo, conversou – com exclusividade – com a equipe do showlivre.com e falou sobre todo o processo de produção e conceito do novo disco

Postado em por

Na última semana, a banda O Terno – um dos principais nomes do rock nacional – divulgou seu mais recente álbum de estúdio, intitulado ‘<atrás/além>’. Com arranjos mais refinados, os integrantes somam forças a uma orquestra para apresentar um disco que, acima de tudo, fala sobre a sensação de assumir-se como um indivíduo e lançar-se ao mundo. Nesse novo trabalho, O Terno ultrapassa fronteiras esperadas e conhecidas, seja de jazz, indie, MPB, música erudita ou rock.

O álbum está disponível em todas as plataformas digitais. Ouça:

Para saber mais sobre o lançamento, Leonan Oliveira conversou com Tim Bernardes – o líder do grupo – para mergulhar no processo criativo e aspectos intrínsecos do novo disco. Confira:

 

– Eu vi que vocês apostaram em arranjos mais refinados para este álbum. Como foi o processo de definição de identidade do disco?

Não foi uma coisa pensada a priori, sabe? Não teve um “vamos fazer um disco que tem essa cara”. Eu acho que a gente tinha um conceito muito forte na cabeça sim. Eu vim com essas doze canções e mostrei elas, então elas já tinham muito um clima. Então, a gente queria manter o clima íntimo delas, sabe? Elas terem a potência que se tem quando você tem uma canção violão e voz, mas também impulsionar isso com arranjos de banda e de orquestra.

Era uma coisa que já estava na cabeça: seria a gente tocando como banda, mas menos como uma banda de rock’n’roll e mais como uma banda livre de música, seja lá a canção que pedissem pra gente, e que a gente colocaria a banda como parte da formação total musical, que seria banda mais orquestração. Pensamos no som como uma coisa maior, a voz como ponto central e a banda como parte da orquestra.

– Então você define o disco como uma coisa muito mais natural do que planejada?

Sim. Foi mais natural mesmo. A gente tinha na cabeça algo já, mas teve muito a ver com coisas que a gente já vinha explorando e eu usei no meu disco solo (‘recomeçar’) também. Naturalmente a gente chegou nesse caminho.

– Com isso, o que torna este álbum diferente dos lançamentos anteriores dO Terno?

Eu acho que… Uma coisa que eu vejo diferente neste álbum é o fato dele ser um álbum com muita unidade entre as músicas. De estar falando sobre desdobramentos de assuntos muito semelhantes. É um retrato desse lançamento na vida, se emancipar como um indivíduo e se lançar pro mundo, essas questões de ficar adulto na nossa época, questões da nossa geração acerca do que é ser jovem hoje em tempos de redes sociais, falar sobre amor… Então, eu acho que ele tem uma unidade temática que ainda não tinha aparecido isso  na discografia do Terno.

No Recomeçar, meu disco solo, já existe isso de alguma forma, mas de uma maneira muito mais narrativa e romântica, de amor mesmo. Enquanto neste, é muito mais filosófica, sabe?

– Qual seria a mensagem principal do álbum?

Nossa, eu não sei porque ele tem tantos ângulos. Mas, de certa forma, é essa de se lançar/emancipar para o novo. Celebrar o passado e sonhar o futuro.

– O álbum já ganhou dois videoclipes, né? Como vocês escolheram os singles?

Então, a gente escolheu fazer o clipe de ‘Pegando Leve’ porque a gente via como uma música que tinha um pé no que O Terno venha a ser nesse novo disco. É uma música mais ‘banda’, um pouco mais descontraída, que tem a ver com coisas que a gente já fez, mas também essa profundidade e densidade que temos no disco. Só que a gente não queria que fosse o primeiro single porque a gente queria justamente primeiro mostrar a cara nova. E a cara nova seria com o primeiro single que é ‘Nada/Tudo’.

– Eu vi também que você assina a produção, mixagem e composição do álbum… Como foi pra você estar envolvido em todas as etapas do nascimento do disco?

Eu gosto muito de estúdio e eu enxergo, na verdade, o produto final como o negócio pronto, sabe? Então é compor a letra, melodia, mixagem, efeitos, como será o clipe e como isso vai se comunicar com uma coisa só, sabe?

Eu sempre tive nO Terno esse papel de ‘dirigir’ a coisa. Depois do ‘Recomeçar’, que eu assinei isso de fato, assumi que isso era uma função e que não era um problema eu estar numa banda e assumindo de fato a liderança. Isso foi muito bom. A gente trabalhou muito contentes durante todo o processo.

Então, foi um negócio legal mesmo.

 

Em 2014 O Terno foi atração do Estúdio Showlivre. Confira a versão ao vivo de um dos maiores sucessos da banda, “Ai, ai, como eu me iludo”: