Cadastre-se / Entrar
22013

PAUTA
Informação e música em harmonia

Movimento Black Rio é declarado ‘Patrimônio Cultural Imaterial do RJ’

Registro do fotojornalista Almir Veiga, do ‘Jornal do Brasil’, reproduzido no livro ‘1976 Movimento Black Rio’. Foto: Divulgação / José Olympio

Projeto de Lei aprovado pela Alerj reconhece o caráter de integração social das festas de soul e funk que, nos anos 1970, reuniam milhares de jovens negros

Postado em 15 de novembro de 2018 por

Na última quarta-feira (7), a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou o Projeto de Lei 4392/2018, de autoria do deputado estadual Waldeck Carneiro (PT-RJ), que declara o Movimento Black Rio como Patrimônio Cultural Imaterial do Rio de Janeiro.

Tendo como embrião um baile com seleção musical de artistas negros e realizado pelo jovem produtor Ozéas Moura dos Santos no dia 11 de novembro de 1969 no Clube Astória, o Movimento Black Rio fez surgir na capital fluminense um sentimento inédito de irmandade e altivez, fenômeno experimentado pela juventude negra local  ao longo de toda década de 1970.

Majoritariamente musical, a cena era difundida em bailes como Soul Grand Prix, Dynamic Soul, Soul Maior, Baile da Pesada, Cash Box, Black Power e Furacão 2000,  que reuniam até 15 mil pessoas e eram marcados pelo culto à soul music e ao funk de ícones da cultura negra norte-americana como James Brown, Aretha Franklin, Stevie Wonder e Curtis Mayfield.

Mesmo com a suspeição do regime militar em curso no País de que aquela movimentação oferecia riscos de insurreição, a influência do Black Rio resistiu ao cerco da ditadura e se espalhou em periferias de vários estados do País.

“A ditadura monitorava bailes, discotecários, produtores, artistas, em busca de uma explicação para o que acontecia naquelas manifestações da cultura negra. O Black Rio merece ser colocado no seu devido lugar na história cultural do Estado do Rio de Janeiro por sua contribuição para a formação de uma geração que não tinha opções de lazer. Mais ainda porque isso se dava numa época em que o acesso à cultura era para poucos. O baile realizado pelo jovem Ozéas Moura dos Santos foi a pedra fundamental do que se tornaria Black Rio, Black Minas, Black São Paulo, Black Bahia”,  afirmou o deputado Waldeck Carneiro, no texto em que defendeu seu Projeto de Lei, apresentado em 13 de setembro último na Alerj e agora aprovado.

Para além da música tocada nos bailes, o Movimento Black Rio também motivou o surgimento de bandas e artistas solo que, na esteira de pioneiros como a banda Dom Salvador & Abolição, Tim Maia, Tony Tornado, Cassiano, Hyldon e Gerson King Combo, defenderam a continuidade de novos subgêneros musicais, como o samba-funk e o samba-soul. Entre esses artistas, estão nomes consagrados, como a Banda Black Rio, o grupo União Black, as cantoras Sandra de Sá e Lady Zu, e os compositores Carlos Dafé e Serginho Meriti.

Em 2012, reformulada por William Magalhães, filho do ex-líder, o saxofonista e arranjador Oberdan Magalhães (1945 – 1984), a Banda Black Rio foi destaque no Estúdio Showlivre. Na ocasião, o grupo lançava o álbum Supernova Samba-Funk, editado somente na Inglaterra, pelo Far Out Recordings. Confira abaixo o show.

Em 2016, celebrando os 40 anos de consolidação do movimento, os jornalistas Octávio Sebadelhe e Luiz Felipe de Lima Peixoto publicaram, pela editora José Olympio, o livro-reportagem 1976 – Movimento Black Rio.

Na ocasião, publiquei uma reportagem sobre o lançamento na extinta revista CULTURA!Brasileiros. O conteúdo não está mais online, mas pode ser conferido abaixo, na íntegra.

Um grito de altivez no salão*

por Marcelo Pinheiro

Nestes tempos obtusos, em que a ascensão do conservadorismo no País faz surgir personagens esdrúxulos como Fernando Holiday – jovem negro, egresso do Movimento Brasil Livre (MBL), que foi eleito vereador por São Paulo com um discurso de combate ao “vitimismo” dos negros, fim das cotas raciais e revogação do Dia da Consciência Negra, celebrado no último dia 20 –, é mais que bem-vinda a chegada às livrarias de um trabalho como 1976 Movimento Black Rio, livro-reportagem dos jornalistas Zé Octávio Sebadelhe e Luiz Felipe de Lima Peixoto.

Publicado pela editora José Olympio, com apoio do projeto Natura Musical, o trabalho de fôlego, que será lançado em São Paulo nesta quinta-feira (24) também integra uma série de ações da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro em celebração aos 40 anos do Movimento Black Rio. Ao longo de 252 páginas, a dupla de jornalistas reconstitui, com o auxílio de muitos personagens que viveram o período, a história desse fenômeno jovem consolidado com a profusão de bailes majoritariamente frequentados pela negritude carioca.

A efervescência em torno de festas que reuniam até 20 mil pessoas foi tão inspiradora que fez surgir uma cena local de bandas e compositores que amalgamavam os ensinamentos do funk e da soul music norte-americana com gêneros da música popular brasileira, como o samba e o baião. Maior expoente dessa mistura, a Banda Black Rio lançou em 1977 seu primeiro LP, Maria Fumaça (ouça), um clássico das fusões retroalimentadas pela cultura dos bailes, principal alicerce do movimento que deu aos jovens negros do Rio de Janeiro um sentimento inédito de altivez.
Nesse contexto, além da Banda Black Rio, surgiram artistas municiados do mesmo ímpeto de amplificar a soul music à brasileira criada por antecessores como Tim MaiaToni TornadoHyldonCassiano e o grupo Dom Salvador & Abolição. Na nova safra, destaque para União BlackCarlos DaféGerson King ComboDon BetoBeto ScalaLady ZuMárcia MariaTony BizarroSerginho MeritiCopa 7Junior MendesAlmir RicardiSandra de Sá e a dupla Robson Jorge e Lincoln Olivetti. Com ritmo explosivo, eles fizeram a trilha sonora dos blacks, como se autointitulavam os simpatizantes do movimento.

Mal documentada, tema de muitas reportagens preconceituosas feitas na época, a trajetória desses personagens é contada com propriedade no livro. No texto de apresentação da obra, Peixoto pontua argumentos que eram recorrentes para deslegitimar a importância do movimento, como a influência estrangeira e a aparente frivolidade de uma articulação movida a festança.

“A história do Black Rio se encaixa, de certa maneira, numa situação parecida com os escassos registros históricos da cultura negra nacional, obliterados pela amnésia reinante da memória imaterial, característica comum deste País. Pouco se sabe sobre o que foi a influência do soul americano nos subúrbios do Rio de Janeiro no início dos anos 1970. Alguns afirmam não ter sido um movimento autêntico, organizado. Outros alegam que foi apenas um momento em que a juventude negra resolveu dançar uma música diferente”, diz Peixoto.

Pelo conturbado contexto histórico em que surgiu, o jornalista reitera a importância do Black Rio. “Num período ditatorial, a representatividade desse movimento não teve parâmetros. Os negros daqui se mostraram contextualizados num âmbito internacional, estavam em sintonia com o que acontecia pelo mundo. E, através dessa identidade de raça, o Movimento Black Rio se tornou um fenômeno sociológico e político incomparável. Um divisor de águas.”

A crítica de superficialidade da proliferação dos bailes no subúrbio carioca chegou a motivar um protesto do sambista Candeia, manifestado na música Sou Mais Samba (veja vídeo), lançada em 1977. Provocativo, na letra, o partideiro ironiza: “Esse som que vem de fora não me apavora / Nem rock nem rumba / Pra acabar com o tal de soul / Basta um pouco de macumba”. Na última estrofe, depois de afirmar “quem presta à roda de samba não fica imitando estrangeiro”, Candeia pondera: “Calma, calma minha gente / Pra que tanto bambambã / Pois os blacks de hoje em dia são os sambistas de amanhã”. O manifesto anti-Black Rio de Candeia, que contou com a colaboração de Clementina de Jesus e Dona Ivone Lara, é documentado no 15° dos 28 capítulos do livro.

O embate “samba versus soul” chegou a contar com a inusitada opinião do sociólogo Gilberto Freyre, que, em artigo publicado no Jornal do Brasil, alertou “a nação para o perigo da mistura de negros norte-americanos com os brasileiros negros que possuem um movimento chamado Black Rio, com a finalidade de transformar a música negra – o samba, principalmente – em música de protesto”.

Na introdução de 1976 Movimento Black Rio, Sebadelhe reafirma o equívoco de menosprezar as intenções de jovens negros que, ao contrário do que pensavam os que compartilhavam da opinião da velha-guarda do samba e do autor de Casa-Grande & Senzala, não tinham como mote único o hedonismo alienante da dança.

“O Movimento Black Rio teve características tão peculiares que não apenas mudaria as formas de produção cultural da cidade, mas também os hábitos de convivências e as relações do lugar. Essa particularidade uniu jovens negros de outros estados com o mesmo propósito: o direito de se expressar livremente, absorver, produzir cultura e se divertir. Surgia uma mocidade que questionaria veementemente estatutos e modelos arcaicos da civilização brasileira, traços de uma sociedade forjada em severos conceitos da era da escravidão.”

Além da importância textual, o livro também apresenta ao leitor uma rica pesquisa iconográfica, com filipetas, cartazes e fotografias em preto e branco que evidenciam o sentimento de feliz irmandade que havia entre os adeptos da cena difundida em festas promovidas por equipes como Baile da Pesada, Soul Grand Prix, Dynamic Soul, Soul Maior, Cash Box, Black Power e Furacão 2000.

Neste mês de celebração ao espírito aguerrido de Zumbi dos Palmares, temos aqui um livro essencial tanto para
desinformados, como o vereador Fernando Holiday, quanto para a negritude que sempre defendeu o direito de trazer à tona sua história e preservá-la.

‘Verdade ou Consequência’: Carol & Vitoria juntam forças com Bivolt em novo single

‘Verdade ou Consequência’: Carol & Vitoria juntam forças com Bivolt para novo single. (Foto: Divulgação)

Faixa marca nova fase na carreira da dupla e reforça a discussão sobre empoderamento feminino e amor próprio

Postado em 22/02/2019 por

O fim de semana começou bastante animado para a dupla Carol & Vitoria! A dupla, que ficou famosa na internet, juntou forças com a rapper Bivolt e, nesta sexta-feira (22), divulgou seu novo single, ‘Verdade ou Consequência’. A faixa chega para reforçar o empoderamento feminino e o amor próprio.

O videoclipe da parceria já está disponível no canal oficial das meninas no YouTube. Assista:

 

A faixa foi composta por Carol, que desabafa sobre um momento que passou e diz que o single será um divisor de águas na carreira da dupla. “Foi a música mais fácil de compor da minha vida. Eu sempre sou muito intensa quando me apaixono e não vou mais suportar que brinquem com meus sentimentos. Este single é “, conta. A personalidade e o som da paulista Bivolt se unem à melodia e se encaixam perfeitamente com a nova proposta da dupla.

Sobre a escolha, a cantora contou que a história de vida da rapper contribuiu muito para a parceria. “A Bivolt também passou por um relacionamento abusivo e achamos muito legal ter uma voz feminina do rap junto com a gente pra contar essa história”, disse.

Disponível em todas as plataformas digitais, a música é forte e mostra que Carol & Vitoria vieram com força para mostrar quem são. “Pra mim esse single representa nossa nova fase, C&V estão prontas pra mostrar o lado ousado que todo mundo queria ver. Estamos muito ansiosas com o que o público vai achar”, concluiu a cantora.

Atualmente, as irmãs acumulam mais de 4.5 milhões de inscritos no canal da dupla no YouTube e mais de 300 milhões de visualizações. Além de “Jura Juradinho”, que já soma mais de 10 milhões de visualizações, elas já lançaram mais duas canções autorais – “Mais Que Um Verão” e “Numa Dessas Voltas”, que somam mais de 2,1 milhões de visualizações.

‘Geladinho’: Aretuza Lovi lança novo single para o carnaval. Confira!

‘Geladinho’: Aretuza Lovi lança novo single para o carnaval. (Foto: Divulgação)

Classificada pelos fãs como uma faixa ‘empolgante’, o single está disponível em todas as plataformas de streaming

Postado em por

Depois de alguns singles bem-sucedidos do ‘Mercadinho’, recente álbum de Aretuza Lovi, a drag queen volta aos holofotes com sua aposta para o carnaval.  Com influências do axé, funk e eletrônico, ‘Geladinho’ segue com a principal característica da drag quem suas músicas: muita festa e alto astral.

Ouça:

 

A faixa é uma composição de Aretuza em parceria com Ruxell, Pablo Bispo, Sérgio Santos, nomes conhecidos do mercado musical, que também assinam a produção. Os três colecionam trabalhos com Iza, Pabllo Vittar, Gloria Groove, entre outros.

Geladinho, também chamado em outras regiões do Brasil de dindin, sacolé, chup chup, flau, entre outros nomes, é popular no carnaval, por isso a música chega para antecipar as festividades.

Sobre a música, Aretuza conta: “’Geladinho’ vem com essa proposta Funk 150, com mistura de axé, que sou apaixonada. Quis fazer essa junção, que é uma característica minha, de fundir e fazer uma mistura muito louca, muito swingada, com bastante percussão”.

Mas se engana quem acha que a música foi feita ao acaso. “Geladinho faz parte da minha história, pude trazer o que vivi na minha adolescência. Fazia geladinho para vender nas oficinas. Quis trazer o geladinho, que é muito popular em todos os estados do Brasil e unificar”, conta Aretuza. “E tem essa pegada de calor, swing, suor, refrescância, clima tropical… espero que caia na boca do povo nesse carnaval”, finaliza.

Aretuza Lovi é uma super-parceria do Showlivre.com. Em junho de 2017, a drag queen apresentou seus sucessos no Estúdio Showlivre. Assista:

Ao lado de Whindersson, Luisa Sonza divulga versão forró do hit ‘Boa Menina’

Ao lado de Whindersson, Luisa Sonza divulga versão forró do hit ‘Boa Menina’. (Foto: Reprodução/ YouTube)

Com uma pegada totalmente descontraída, o clipe oficial da versão alternativa foi gravado – inteiramente – na casa do casal

Postado em por

A cantora e compositora Luísa Sonza acaba de lançar o clipe em versão forró de seu single “Boa Menina”, em seu canal oficial no YouTube. Tendo como locação a própria casa de Luísa, o clipe traz um clima de total descontração, animação e energia lá no alto. Para a gravação, Luísa contou com a participação de seu marido, Whindersson Nunes, sua prima Nadine Gerloff, seu amigo Gabriel Rocha e suas três cachorrinhas, Amora, Regina e Gisele. Assista:

A versão original de “Boa Menina” foi lançada em outubro do ano passado e conta com mais de 47.5 milhões de views no YouTube. O hit também é sucesso nas plataformas digitais. São mais de 13.3 milhões de streamings no Spotify. Confira o clipe oficial: 

 

 

Além do lançamento, Luísa está cheia de projetos para esse ano e se prepara para o lançamento de seu novo álbum, que virá cheio de novidades. A cantora, que vive um momento de ascensão na carreira, com apenas 20 anos de idade, vem emplacando diversos hits com o público. Os quatro clipes que ela lançou em 2018 (“Rebolar”, “Devagarinho”, “Boa Menina” e “Nunca Foi Sorte”) somam juntos mais de 145 milhões de visualizações na internet.

 

Depois do sucesso de vendas, Shawn Mendes anuncia show extra em São Paulo

São Paulo é a cidade que mais consome Shawn Mendes no mundo. (Foto: Divulgação)

Com mais de 530 mil ouvintes mensais, a cidade é o lugar onde o cantor possui mais fãs no mundo todo

Postado em por

Depois do sucesso de vendas dos ingressos da apresentação de Shawn Mendes em São Paulo, a Move Concerts – produtora oficial do evento – resolveu atender os pedidos dos fãs e anunciou que a cidade vai, sim, ganhar um show extra. A nova apresentação acontecerá no dia 29 de novembro, um dia antes do show principal, também no Allianz Parque.

O anúncio aconteceu nas redes sociais da Move Concerts. Na publicação, a produtora contou que sempre está de olho nos pedidos dos fãs no Twitter e que os ingressos para o show extra devem começar no dia 10 de março.

O sucesso de vendas não é uma surpresa pra ninguém, já que – no Spotify – São Paulo é a cidade que mais consome Shawn Mendes no mundo. Em números, apenas no Spotify, o cantor canadense ostenta mais de 520 mil ouvintes mensais na capital paulista.

O levantamento é constantemente atualizado na própria página do cantor, no Spotify – maior plataforma de streaming do mundo. Por lá, São Paulo aparece na frente de lugares como Cidade do México (México), Quezon (Filipinas), Jacarta (Indonésia) e Londres (Inglaterra).

Shawn Mendes é uma fábrica de hits! O cantor é um dos novos queridinhos da música pop e coleciona sucessos ao longo de sua carreira, que conta com três álbuns de estúdio. ‘Treat You Better’, seu single mais famoso, conta com mais de 1,6 bilhões de reproduções no YouTube. Assista:

 

Além dos dois shows em São Paulo, a turnê de seu terceiro álbum, intitulado ‘Shawn Mendes’, também contará com uma apresentação na Jeunesse Arena (03/12), no Rio de Janeiro. Os ingressos para ambas apresentações estão à venda no site oficial da Livepass.

Depois de hiato, Simone e Simaria anunciam volta aos palcos para o próximo mês

Depois de hiato, Simone e Simaria anunciam volta aos palcos para o próximo mês.

A dupla havia cancelado toda a agenda de shows para que Simaria cuidasse de sua saúde física e mental

Postado em 21/02/2019 por

Depois de alguns meses longe dos palcos, Simone e Simaria estão de volta! A dupla, dona de sucessos como ‘Loka’ e ‘Meu Violão e o Nosso Cachorro’, anunciou que o retorno já está marcado e acontecerá antes do que todos pensavam: dia 3 de março, em Recife (PE).

O retorno acontece da melhor maneira, considerando a temporada de folia e alto astral que chega com o carnaval: as irmãs se apresentam no popular Camarote Cavalheira da Ladeira. No dia seguinte, a festa continua no Camarote Olinda, também na capital Pernambucana.

Para alegria dos fãs, Simone e Simaria preparam um repertório animadíssimo e não pode faltar, claro, o novo hit “Qualidade de vida”, música em parceria com Ludmilla que vem agitando as plataformas digitais e conquistando cada vez o publico. No canal oficial da dupla no Youtube, a canção ultrapassa os 30 milhões de visualizações e, no Spotify, figura entre as dez músicas mais executadas no Brasil. A canção é a primeira faixa do DVD “Aperte o play”, que tem previsão de lançamento para final de março. Assista:

‘Errata Perfeita’: Jota.pê anuncia EP e antecipa primeiro single. Confira!

‘Errata Perfeita’: Jota.pê anuncia EP e antecipa primeiro single. (Foto: Divulgação/ Bruno Silva)

Iniciando uma série de estreias programadas para 2019, cantor apresenta “Errata Perfeita”. Com letra de Camila Brasil, faixa foi produzida por Lucas Mayer

Postado em por

Conhecido como um dos nomes mais quentes da música brasileira, com vertentes que vão de Jorge Ben a Caetano Veloso, passando pelo manguebeat de Chico Science, Jota.pê anuncia EP para o segundo semestre do ano e antecipa single “Errata Perfeita”.

Com letra de Camila Brasil e produção musical de Lucas Mayer, faixa tem atmosfera dançante e é embalada por sons de percussão, timbres de guitarra e toques de eletrônicos. De um lado, as influências surgem no intenso rock and roll. Do outro, serenidade e leveza na voz e violão. “Eu estou, realmente, muito feliz por essa nova fase. Estar ao lado de tanta gente que admiro, artistas que compreenderam perfeitamente minha identidade musical e minhas influências, abriram possibilidades que nem eu mesmo tinha imaginado. Tudo foi traduzido em uma sonoridade que me representa com verdade”, explica.

Disponível em todas as plataformas digitais, “Errata Perfeita” foi mixada e masterizada por Rodrigo Deltoro. Ouça:

 

Entre os músicos convidados, Marcelo Mariano (baixo), Kabé Pinheiro (bateria/percussão), Anna Tréa (guitarra e voz) e Silvinho Erne (teclado).

 

Banda Melim disponibiliza no Youtube parte do show gravado em São Paulo

Banda Melim disponibiliza no Youtube parte do show gravado em São Paulo. (Foto: Divulgação/ Sergio Blazer)

Ao todo, estão disponibilizados oito vídeos para os fãs da banda assistirem: “Peça Felicidade”, “Ouvi Dizer”, “Hipnotizou”, “Confusão”, “Sabe Lá”, “Mergulho no Mar”, “Era Pra Ser Outra Canção Feliz” e “Dois Corações”

Postado em por

A banda Melim acaba de lançar em seu canal oficial do YouTube uma parte do show gravado em outubro do ano passado, no Cine Joia, em São Paulo, que contou com a produção e direção de Santiago Ferraz, da US3, e o cenário do premiado Zé Carratu. Assista aqui.

Ao todo, estão disponibilizados oito vídeos para os fãs da banda assistirem: “Peça Felicidade”, “Ouvi Dizer”, “Hipnotizou”, “Confusão”, “Sabe Lá”, “Mergulho no Mar”, “Era Pra Ser Outra Canção Feliz” e “Dois Corações”. A outra metade da gravação tem previsão de lançamento para o dia 14 de março.

Eu tô muito feliz com esse lançamento! Sempre curti escutar álbuns ao vivo, porque misturam a emoção da música com o público. E adorei o resultado do nosso”, conta Rodrigo. “A escolha do Cine Joia e toda parte artística visual e musical passa muita energia e alegria. Espero que o público curta muito, foi feito com muito carinho”, completa.

Aqui em casa tá todo mundo emocionado, não só pela qualidade do material (as músicas ficaram realmente ainda mais bonitas), mas pela resposta do público e por sabermos da importância desse primeiro audiovisual na nossa carreiraA gente tá feliz demais, eu nem sei dizer o quanto”, revela Diogo.

Já Gabi diz que é lindo ver mais um sonho nascer: “Gravamos o disco com todo amor do mundo. Então, colocar as canções no show e escutar o público cantando, os olhos sorrindo, tanto carinho da galera… É demais! Esse ao vivo é um registro muito especial das nossas composições, agora com a soma das vozes e a nossa imagem junto. Estamos muito felizes com o resultado. As músicas ficam mais emocionantes com o afeto do público”.

As gravações estão disponíveis no canal oficial da banda no YouTube. Assista ‘Peça Felicidade’:

 

Para conferir as outras faixas do projeto, clique AQUI.

‘Meu Abrigo’, um dos maiores sucessos do trio, foi lançado no YouTube em dezembro e 2017 e, atualmente, conta com mais de 170 milhões de visualizações. Confira:

 

 

Gato de Taylor Swift é o terceiro animal mais rico do mundo

Com campanhas publicitárias e ações online, o pet já acumulou – para a dona – cerca de US$ 97 milhões

Postado em por

Depois do cachê milionário recusado por Drake para se apresentar no Rock In Rio, a curiosidade sobre os ganhos e movimentação de capital por artistas musicais cresceu e, nesta semana, outro fato ‘chocante’ tomou lugar na discussão dos internautas: Olivia Benson, a gatinha da cantora Taylor Swift, acabou de entrar para o Top 3 da lista dos animais mais ricos do mundo.

No total, o pet teria acumulado mais de US$ 97 milhões (mais de 365 milhões de reais) com ações nas redes sociais e campanhas para marcas famosas, como a Coca-Cola e Keds Sneakers.

olivia-benson-is-a-star-2 Gato de Taylor Swift é o terceiro animal mais rico do mundo

Além do Pet de Taylor Swift, a lista também é composta por animais de todo o mundo e que, de alguma maneira, renderam milhões de dólares. O primeiro colocado, por exemplo, é um cachorro (sortudo) que ganhou como herança – da condessa alemã Carlotta Leibenstein – cerca de US$ 375 milhões (quase 1,5 bilhões de reais).

O motivo pelo qual o site resolveu atualizar é lista foi a morte do estilista Karl Lagerfeld, que morreu nesta semana e deixou parte de sua fortuna para sua gatinha Choupette – que inclusive tem um dos perfis mais populares do Instagram. O animal ainda não aparece na nova atualização.

Confira o Top 10:

MW-HE224_riches_20190220110526_ZH Gato de Taylor Swift é o terceiro animal mais rico do mundo

Além de sua gata, Taylor Swift também é uma das figuras mais rentáveis do mundo. No ano passado, por exemplo, a cantora arrecadou cerca de US$ 80 milhões e ficou em segundo lugar da lista das mulheres mais bem pagas da música, perdendo apenas para também norte-americana Katy Perry.

No YouTube, Taylor é uma das maiores. O videoclipe de ‘Shake It Off’, lançado em agosto de 2014, é o segundo vídeo feminino mais visto do YouTube. Atualmente, a produção conta com mais de 2,7 bilhões de visualizações. Confira:

Pabllo Vittar e Iza lideram pesquisa de desejo do público para o Rock In Rio

Pabllo Vittar e Iza lideram pesquisa de vontade do público para o Rock In Rio.

Gloria Groove, Ivete Sangalo e Claudia Leitte também aparecem entre os cinco nomes mais desejados

Postado em 20/02/2019 por

Depois de testar a vontade do público para nomes internacionais, o Portal Popline está promovendo uma pesquisa para descobrir quais são os nomes nacionais mais desejados pelo público para compor o line-up oficial do Rock In Rio 2019. A drag queen Pabllo Vittar, com mais de 3700 votos, lidera o ranking e é seguida pela ‘pesadona’ Iza, que acumula mais de 2 mil votos.

Além das donas de ‘Problema Seu’ e ‘Ginga’, nomes como Gloria Groove, Ivete Sangalo e Claudia Leitte também aparecem no Top 5. Embora com um número reduzido de votos, o público também demonstra a vontade de ver nomes populares como Jão, Anavitória, Lexa, Ludmilla, Karol Conká, Alok e até a dupla Sandy & Junior em um dos palcos do festival.

A presença de Pabllo Vittar, o nome mais votado da lista, chegou até a entrar para os assuntos mais comentados do Brasil no Twitter. A drag – que conversou com EXCLUSIVIDADE com a equipe do Showlivre – lançou, no começo deste mês, o videoclipe de ‘Seu Crime’ e já acumula mais de 6 milhões de visualizações. Assista:

 

O Rock In Rio 2019 está marcado para acontecer entre os dias 27 de setembro e 6 de outubro. Até o momento, o line-up oficial do evento conta com nomes como Seal, Iron Maiden, Sepultura, Anitta, P!nk, Muse, The Black Eyed Peas e Red Hot Chili Peppers.

Ariana Grande se iguala aos Beatles em feito histórico na Billboard Hot 100

Ariana Grande se iguala aos Beatles em feito histórico na Billboard Hot 100. (Foto: Reprodução)

A cantora é a primeira artista, depois dos Beatles (em 1964) a ocupar – simultaneamente – as três primeiras posições do ranking mais importante do mundo

Postado em por

Ariana Grande é um dos nomes mais populares da música mundial. Com mais de 55 milhões de ouvintes mensais no Spotify e uma série de recordes quebrados, a cantora acaba de conquistar algo para lá de importante: igualar-se, na Billboard Hot 100, aos Beatles. Na nova atualização, Ariana Grande ocupa – simultaneamente – as três primeiras posições do ranking.

O quadro da cantora na Billboard Hot 100 está assim: ‘7 Rings’ manteve-se na primeira posição da lista e ‘barrou’ a faixa ‘Break Up With Your Boyfriend, I’m Bored’, que estreou direto na segunda posição. ‘Thank U, Next’, faixa que deu nome ao álbum e já liderou a lista, saltou da 7ª posição direto para o 3° lugar. Nas redes sociais, a cantora contou que não acreditou que isso fosse verdade e comemorou a conquista. “Achei que tivessem editado isso”, escreveu.

Pra você ter uma ideia da dificuldade da conquista, demorou 55 anos para acontecer de novo. Esse fenômeno, se podemos classificar assim, havia acontecido somente uma vez na história da música mundial, quando – em 1964 – os Beatles conseguiram colocar ‘Can’t Buy Me Love’, ‘Twist and Shout’ e ‘Do You Want To Know a Secret?’ nas três primeiras posições da lista das mais populares.

Nesta semana, na internet, os fãs de Ariana Grande promoveram uma campanha à favor do boicote a ‘7 Rings’ para que ‘Break Up With Your Boyfriend, I’m Bored’ conseguisse a primeira posição e a cantora chegasse mais perto de quebrar o recorde de Katy Perry – até hoje a única mulher a ter cinco faixas do mesmo álbum na primeira posição da lista.

Lançada no mês passado, ‘7 Rings’ acumula quase 190 milhões de plays no YouTube. Confira: