opinião em PAUTA

Engrenagem Pop

Novidades relevantes, conteúdo bem-humorado e resenhas de tudo que move o universo pop, o gênero mais popular da música mundial.


Brasileiros não têm mais paciência para a necessidade de atenção de Azealia Banks

Azealia Banks não poupa críticas ao público brasileiro. (Foto: Divulgação)

Entenda motivos pelos quais a cantora norte-americana estampa manchetes negativas depois de sua passagem pelo Brasil

Postado em 28 de novembro de 2018 por

É da natureza de Azealia Banks fazer algumas afirmações polêmicas na internet e que geram muita repercussão. Mas parece que agora a artista passou do limite! Depois de concluir uma passagem um tanto quanto conturbada pelo país com alguns shows (mal apresentados) de sua mais recente turnê, a cantora revelou em suas redes sociais que o motivo do cancelamento em cima da hora de sua apresentação em Fortaleza foi sim porque ela estava escalada para se apresentar antes de Pabllo Vittar.

O cancelamento foi bastante mal recebido pelos fãs brasileiros, que já estavam dentro da casa de shows, e –  naturalmente – rendeu diversas críticas à dona de ‘Used To Being Alone’. Até aí, nada novo sobre o sol. Acontece que um dos fãs da cantora resolveu tocar no assunto e descobriu um lado adormecido de Banks e que não agrada nem um pouco os brasileiros: uma personalidade rude, que não liga para nada, e não perde a oportunidade de tentar ofender alguém.

A cantora resolveu soltar o verbo e disse que, SIM, sua apresentação foi cancelada porque estava no contrato que ela era a atração principal da noite e, na prática, esse cargo estava sendo dado à drag queen brasileira. No lugar de manter sua razão (o seria o mais correto a se fazer), Azealia resolveu continuar criticando e complementou que nunca mais iria colocar seus pés em solo brasileiro.

Questionada sobre qual era a diferença da apresentação, a cantora disse que não era uma opção ela abrir o show de uma drag queen. Tentando se explicar, Azealia afirmou ser mais famosa que Pabllo Vittar e que nunca iria se apresentar antes de uma pessoa menos famosa do que ela. “O produtor me disse que era o meu show. Quando eu apareci, era o show dela. Eu não tenho nada contra ela, mas eu não vou abrir para uma pessoa da qual sinto que sou mais poderosa”, escreveu.

Fun fact: Azealia Banks ostenta 621 mil seguidores no Instagram, contra 7,7 milhões de Pabllo Vittar

Com esse argumento de que a drag queen brasileira tem mais de 7 milhões de seguidores a mais que a americana, Azealia Banks não aguentou e praticamente disse que a indústria brasileira é insignificante pro mundo e, como Vittar é brasileiro, é menos influente que ela. “7 milhões de fãs no Brasil literalmente não significam nada na grande indústria [fonográfica]. É considerado um mercado ‘B-C’. Não um mercado ‘A’. EU NÃO FAÇO AS REGRAS. Azealia Banks é uma figura icônica na cultura feminina, gay e fashion INTERNACIONAL, e vocês vão respeitá-la ou não a terão. Eu não perco nada em nunca mais voltar ao Brasil”, publicou.

Poderia ter parado por aí? Poderia. Mas não parou. A cantora criticou os brasileiros com seu ‘inglês ruim e mania implorar por ingressos de graça’.

Não é a primeira vez!

Infelizmente, a terceira guerra mundial estrelada por Azealia Banks e os brasileiros não é algo inédito para se comentar. Em janeiro de 2017, a cantora comprou uma briga em suas redes sociais por estar irritada com as mensagens dos brasileiros. “Quando esses anormais do terceiro mundo vão parar de fazer spam com esse inglês errado falando sobre algo que não sabem? É hilário ser chamada de ‘black whore’ por brasileiros brancos. Eles deveriam se preocupar com a economia primeiro”, escreveu em seu Facebook.

Se revelando um poço de raiva, preconceito e desrespeito com o Brasil e brasileiros, com a resposta daqueles que se sentiram ofendidos, a cantora ainda completou que os brasileiros deveriam sumir da internet. “Não sabia que tinha internet na favela”, escreveu.

Ironicamente, em algumas publicações, fãs brasileiros tentavam encontrar uma desculpa para justificar as ofensas da cantora, mas o questionamento é: até quando devemos defender um artista que gostamos? É válido achar ‘Ok’ ofensas xenofóbicas de Azealia Banks só porque gostamos de sua música? Como podemos definir esse comportamento? Síndrome de Vira Lata?

Acontece que, nas redes sociais, a cantora está sendo altamente criticada e, aparentemente, os brasileiros não têm mais paciência para o estrelismo e tentativas de chamar a atenção de Azealia Banks.


Amante de música pop desde o primeiro fone de ouvido e discípulo fiel de Katy Perry. Um jovem paulistano bastante bem-humorado que não perde a chance de surtar na grade dos shows pela cidade.

Por que BTS atrai tantos fãs no Brasil?

Grupo sul-coreano, em poucas horas, esgotou ingressos para um super-show no Allianz Parque

Postado em 13/03/2019 por

Um dos nomes mais comentados do últimos dias nas redes sociais, o grupo BTS – formado por V, Suga, Jeon Jung-Kook, Park Ji-min, Jin, RM e J-Hope – é uma das próximas atrações internacionais confirmadas no Brasil! Por conta do sucesso de venda dos ingressos para a apresentação marcada para acontecer no Allianz Parque, no dia 25 de maio, o grupo anunciou um show extra – para o dia seguinte -, no mesmo lugar.

Para o primeiro show, mais de 40 mil ingressos foram vendidos em cerca de 2 horas. O poder de BTS no Brasil chamou a atenção de jornalistas e amantes da música que não são envolvidos com o trabalho dos coreanos e levantou uma questão interessante: por que BTS atrai tantos fãs no Brasil? 

 

Quando paramos pra pensar nisso, a primeira característica que invade nossa mente é: BTS é um grupo, são mais personalidades juntas, o que possibilita a maior quantidade de fãs. Mas, por que outros grupos não tem a mesma popularidade?

Outro ponto importante para destacarmos é o estilo musical dos meninos. Com mais de 7 milhões de ouvintes mensais no Spotify, o grupo tem músicas envolventes e, mesmo que você não saiba nenhuma palavra em coreano, certamente vai cantarolar algumas estrofes. Ou seja, BTS é diverso e cativante, musicalmente falando. Mas, só isso é necessário pra esgotar em tão pouco tempo um show em uma estádio, numa cultura completamente diferente? Obvio que não!

E a parte estética? BTS é único! Com videoclipes coloridos e super-produzidos, a banda é um dos nomes mais populares do YouTube mundial. O grupo é, inclusive, dono do vídeo masculino mais reproduzido no dia do lançamento: ‘Idol’, um dos seus singles mais populares, recebeu cerca de 45,9 milhões de reproduções nas primeiras 24 horas na plataforma.

Atualmente, menos de sete meses depois do lançamento, o trabalho se aproxima da marca de 400 milhões de plays – marca que muitos dos nomes populares da cultura norte-americana não conseguiu em mais tempo. Confira:

 

Foi uma dessas super-produções que atraiu Beatriz, de 14 anos. A jovem conta que gostou dos elementos apresentados em um dos vídeos da banda e que isso foi a porta de entrada para mergulhar no mundo dos sete integrantes. “Depois eu fui procurar mais deles e percebi que eles eram pessoas incríveis, que passam mensagens de autoaceitação, discursos contra violência, a se amar”, disse. “Sem contar que as músicas deles são boas demais, a letra, a melodia, o conceito por trás das letras”, completou.

Lendo na internet, vi alguns comentários de pessoas creditando o sucesso de vendas do primeiro show anunciado ao fato de ser o único do país – obrigado pessoas de outras cidades/estados a se deslocarem até a capital paulista para assistir a apresentação. Sim. Acredito que esse fato possa ter colaborado na rapidez das vendas, mas não que este seja o motivo do sucesso.

A fórmula do sucesso de BTS só é possível porque tudo é feito por V, Suga, Jeon Jung-Kook, Park Ji-min, Jin, RM e J-Hope. Número de integrantes, músicas cativantes, visual impactante e outras elementos visuais e sonoros só rendem quando combinadas de maneira harmônica e feitas pelos personagens certos e BTS sabe como fazer! BTS é um fenômenos que – querendo ou não – muda o comportamento de consumo musical do mundo perante aos trabalhos feitos no outro lado do mundo.

Trabalhos coreanos sempre foram sincronizados, atraentes visualmente e animados, mas – até hoje – só BTS teve a força suficiente para conseguir quebrar a barreira física e imaginária que separa o oriente e o ocidente. BTS chegou para colocar uma vírgula no protagonismo norte-americano na música mundial.

Lexa Horror Story: a onda de azar no carnaval 2019. (Foto: Divulgação)

Lexa Horror Story: a onda de azar no carnaval 2019

A cantora, um dos nomes mais tocados durante os dias de carnaval, viveu alguns perrengues durante a folia e acabou até sem trio elétrico

Postado em 11/03/2019 por

Depois de MUITA festa, o Carnaval 2019 finalmente chegou ao fim! No último domingo (11) – último dia oficial do pós-carnaval – a cantora Lexa protagonizou um momento bastante dramático na internet: o produtor responsável pelo aluguel do trio-elétrico da cantora, em São Paulo, sumiu com o dinheiro e não apareceu com nenhuma estrutura para o desfile do bloco. Com isso, a cantora foi – publicamente – pedir desculpas no Instagram e não conseguiu segurar o choro em frente às câmeras.

Com o discurso, Lexa não escondeu a indignação e o quanto ficou chateada com a situação – considerando que estava tudo pronto e os fãs já estavam esperando no local. “Oi gente. Tô aqui me arrumando. Na verdade, essa é a terceira maquiagem que eu faço, de tanto que já chorei e de tanto que já me senti prejudicada aqui hoje”, comentou.

Mesmo quem não gosta da música da cantora, ficou bastante comovido com a mensagem. E a dona de ‘Sapequinha’ não parou de pedir desculpas. “Quem foi lá me ver, me perdoem, a culpa não é minha, eu fiz a minha parte. É de uma cafajestagem o que fizeram comigo, porque trabalho todos os dias, eu dou muito duro na minha vida. Eu era uma padeira. Eu consegui várias coisas na minha vida e fizeram isso comigo. Eu peço desculpas de todo meu coração”

O vídeo foi publicado por um fã nas redes sociais. Confira:

Felizmente, o imprevisto não conseguiu destruir a festa da cantora! Na mesma hora, Preta Gil e Anitta convidaram Lexa para juntar-se a seus respectivos blocos. A cantora, que já estava atrás de uma alternativa, aceitou os pedidos e levou os convidados para os dois trios e, mesmo “desabrigada” (como ela mesmo brincou), fez um carnaval lindo em São Paulo.

Acontece que esse imprevisto não foi a única coisa ruim que aconteceu com Lexa durante o carnaval! No dia 3 de março, bem no meio da folia, a cantora estava confirmada como uma das atrações do Bloco das Gloriosas, já que é dona da faixa ‘Provocar’, parceria com a dona do bloco, a drag queen Gloria Groove.

Lexa se arrumou, esperou, esperou e ficou esperando. O dia passou e – quando o bloco já estava chegando ao fim – avisou aos fãs (mostrando que realmente estava pronta) que ainda não sabia o que tinha acontecido, mas que a equipe do bloco deu um bolo nela. Lexa não participou do bloco das Gloriosas e foi atacada por algumas pessoas na internet. “Falta de respeito com seus fãs”, mandaram para a cantora.

E você acha que acaba aí? Pois muito que bem, você está muito enganado. Lexa foi um dos nomes mais comentados do carnaval 2019 e, com isso, uma das pessoas que o público mais queria ver durante as festas. Sabendo disso, a cantora Ludmilla – dona do hit ‘Cheguei’ – convidou a cantora para participar do seu bloco, no Rio de Janeiro, marcado para acontecer no dia 5 de março. No meio da festa, aconteceu um enorme arrastão e – para segurança dos foliões – o bloco foi cancelado e Lexa, que estava esperando sua vez de assumir o microfone, acabou voltando pra casa sem se apresentar.

LEXA DO CÉU, VOCÊ PRECISA SE BENZER!

Apesar de todos os apesares, neste ano, Lexa teve um de seus maiores carnavais. A cantora aproveitou a temporada alegre para lançar seu single ‘Só Depois do Carnaval’, que ganhou o coração dos foliões e – até agora – acumulou mais de 25 milhões de visualizações no clipe oficial. Confira:

 

 

Lady Gaga: do ‘fracasso’ em 2013 a um dos nomes mais comentados do Oscar 2019

Lady Gaga: do ‘fracasso’ em 2013 a um dos nomes mais comentados do Oscar 2019

A cantora chegou a ser considerada ‘esquecida’ pela mídia depois do ‘fiasco’ de vendas de seu quarto álbum de estúdio

Postado em 25/02/2019 por

Engana-se quem pensa que o auge da carreira de Lady Gaga aconteceu com o lançamento do single ‘Bad Romance’, que atualmente conta com mais de 1 bilhão de visualizações no YouTube. A cantora, aos 32 anos de idade, subiu na noite do último domingo (25) ao palco do Oscar para receber a estatueta de ‘Melhor Canção Original’ com o hit ‘Shallow’.

Tá, não é nada inédito um nome da música ostentar um prêmio do cinema na estante de casa – nomes como Adele, Lionel Richie e Elton John também já ganharam a mesma categoria que a cantora -, mas não podemos negar o poder de Lady Gaga como atriz e dona da trilha sonora de ‘Nasce Uma Estrela’: a faixa principal tornou-se a música mais premiada de toda a história, com 32 estatuetas importantes como o Globo de Ouro, Grammy e Oscar.

O que torna a conquista de Lady Gaga ainda mais impressionante é que a cantora, o nome mais comentado – segundos dados oficiais – no Twitter mundial durante a premiação de ontem, conseguiu vencer o ‘fracasso’ e decadência de ‘2013’ e, como uma fênix, voltar a ser o nome mais comentado da indústria mesmo não tendo mais a ‘imagem perfeita’ para o mercado.

Mas, afinal, o que aconteceu em 2013?

O ‘fracasso’ de Lady Gaga (se é que podemos qualificar qualquer coisa feita pela cantora como um fracasso) começou no segundo semestre de 2013, quando a cantora começou a divulgar seu terceiro álbum de estúdio, intitulado ‘ARTPOP’.

A expectativa que a cantora estava criando acerca do novo disco estava IMENSA nas semanas anteriores (Gaga chegou até a dizer que ‘ArtPop’ era o disco do milênio e que, depois de seu lançamento, a indústria musical iria mudar para sempre), mas quando o trabalho chegou às lojas não teve tanto destaque assim. ‘Não ter tanto destaque assim’, para a indústria musical, significa não ter conseguido atingir o primeiro lugar das paradas musicais (sim, a coisa mais idiota do mundo).

‘ArtPop’ não chegou ao topo dos charts por conta da concorrência direta com o terceiro álbum da norte-americana Katy Perry que superou – em vendas e desemprenho comercial – tudo que Lady Gaga lançava na época. ‘Applause’ ‘fracassou’ porque ficou EM SEGUNDO LUGAR nas listas das mais vendidas da semana.

 

Por conta da pressão da mídia e cobrança dos fãs para se reinventar, Lady Gaga então partiu para um pop mais country e resolveu lançar o também não tão bem sucedido ‘Joanne’. O quinto álbum de estúdio da cantora, lançado em 2016, acabou tendo um desempenho inferior ao ‘Artpop’ e trouxe Lady Gaga para o centro do alvo de críticas e julgamentos da mídia que, a partir daí, começou a declarar a cantora como ‘morta’, esquecida e fracassada. Tá, mas e os fãs? Lady Gaga ‘saiu da música pop’ e, com isso, perdeu um número considerável de admiradores em todo o mundo.

 

Lady Gaga estava ‘no fundo do poço’ e conseguiu dar a volta por cima e atingir um lugar jamais explorado em sua carreira. Como?

Sempre versátil, Lady Gaga nunca ficou parada diante às dificuldades da vida. A cantora resolveu então se aventurar no teatro e deu vida, MARAVILHOSAMENTE BEM, a um dos personagens mais importantes da quinta temporada de American Horror Story. O trabalho de Gaga como A Condessa abriu caminhos para a cantora e, depois disso, garantiu (com uma dose de carisma e talento) o papel principal do filme ‘Nasce Uma Estrela’ para a cantora.

Como não poderia ser diferente, Lady Gaga arrasou interpretando a Ally e, pra deixar tudo ainda melhor, também assinou a incrível trilha sonora do filme. Além de ‘Shallow’ – a menina dos olhos de todas as premiações que concorreu -, a cantora também destacou faixas como ‘I’ll Never Love Again’ e ‘Always Remember Us This Way’. O filme foi bem aceito em todo o mundo e, automaticamente, transformou-se numa importante catapulta para o retorno de Gaga ao topo.

 

O mais legal de tudo não é ver números e saber que Lady Gaga saiu da posição de ‘fracassada’ para o primeiro lugar dos charts mundiais, mas sim saber que tudo isso aconteceu por conta do trabalho duro da cantora. Este fenômenos nos mostra também que a indústria musical é algo imprevisível e a ‘fracassada’ de hoje por ser o maior sucesso de amanhã.

Lady Gaga é motivo de orgulho para todo amante da música pop! Lady Gaga é força! A cantora já sofreu violência sexual, foi alvo de bullying pesado, sentiu o gosto do desprezo da mídia e, hoje, é dona de 9 Grammys, 2 Globos de Ouro e 1 Oscar. Parabéns Lady Gaga, você merece!

Em tempos sombrios, Ed Sheeran contagia o público com amor em São Paulo.

Em tempos sombrios, Ed Sheeran contagia o público com amor em São Paulo

O cantor apresentou dois shows da ‘Divide Tour’ na capital paulista e presenteou os fãs com um repertório emocionante

Postado em 15/02/2019 por

A nova atualização da sua coluna preferida no Showlivre.com está toda trabalhada na divisão esta semana. Na noite da última quinta-feira (14), o redator que vos escreve esteve no Allianz Parque e acompanhou a última apresentação da ‘Divide Tour’ – turnê de Ed Sheeran – em São Paulo. Com um público bastante animado, o dono de ‘Shape Of You’, apresentou faixas que passeiam entre seus três álbuns de estúdio.

Antes de começar a falar efetivamente sobre a performance do ruivo mais famoso do planeta, precisamos dar destaque para a atração de abertura do show: o cantor Passenger. Dono de apenas um grande hit (como ele mesmo disse enquanto fazia uma ‘apresentação formal’ de quem ele era), o artista contou que sabe que por aqui, pelo nome, as pessoas acham que ele seja uma banda. No maior bom humor, Passenger surpreendeu o público com uma voz poderosa e carisma para pedir a participação do público mesmo nas músicas ainda não conhecidas. “mesmo se não souber a letra, canta qualquer coisa que você quiser”, brincou o músico enquanto incentivava um coral.

Se o cantor já havia chamado a atenção do público brasileiro com ‘Let Her Go’, seu grande hit, desta vez – certamente – conquistou alguns fãs e admiradores (inclusive euzinho aqui). No YouTube, a faixa mais popular do músico ultrapassou a marca de 2 bilhões de views. (tá bom pra você @?) Assista:

 

Então, chegou a vez da atração principal e EXATAMENTE quando o relógio apontava 21h (horário de Brasília), Ed Sheeran subiu ao palco (a pontualidade britânica é real e eu amei). Com isso, o Allianz Parque inteiro tremeu porque as fãs do cantor – muito animadas – não paravam de gritar e cantar junto do cantor cada uma das sílabas da música.

Falando em música, o repertório do show – no geral – foi um tanto quanto inusitado para mim. O motivo? O cantor deixou todos os grandes hits como ‘Perfect’, ‘Thinking Out Loud’ e ‘Shape Of You’ para o final da apresentação. Caso alguém no público não conhecesse músicas mais ‘meio de álbum’, certamente iria sentir-se um pouco entendiado entre o começo e o meio do show. Felizmente, segundo minhas próprias observações, a maioria do público conhecia todas as músicas e vibrava a cada movimento do cantor.

Um ponto que eu acabei reparando e talvez não tenha me deixado tão satisfeito com a parte visual do show, que conta com palco SUPER bonito com telões e projeções que com certeza encantaram o público, foi a maneira com que o cantor resolveu se vestir para a apresentação: calça jeans e camiseta, no maior estilo ‘normalzão’. Isso é uma coisa ruim? NÃO! já que tira toda a atenção para coisas estéticas e direciona a concentração do público para a música, destacando o talento indiscutível de Ed. O problema é que isso também me fez pensar que os grandes nomes femininos da música mundial não contam com a mesma sorte e não podem se dar ao luxo de ‘não ligar’ para a parte estética do show – imagina um show da Beyoncé com calça jeans e camiseta? Certamente a dona de ‘Formation’ seria bombardeada com comentários ruins.

Talento? Ed Sheeran prova que tem sobrando! O cantor, acompanhado apenas de um violão, conduziu todo o show sozinho. Isso sim que é presença de palco. Entre apresentações de faixas de seus discos, o cantor também aproveitou o Dia dos Namorados (em alguns países) para performar a faixa ‘Love Yourself’, escrita por ele e que ficou famosa na voz de Justin Bieber. O público? Como não poderia ser diferente, foi a loucura.

O maior destaque de toda a apresentação? Ed Sheeran promoveu o amor do começo ao fim do show! Em tempos sombrios, no qual uma série de tragédias e casos de preconceito dominam os noticiários e os pensamentos daqueles que acompanhavam o show, promover o amor é uma das ações mais nobres que existem. E Ed Sheeran fez com maestria.

Bem no finalzinho da apresentação, o cantor agradeceu o público, avisou que vai demorar muito pra voltar pra São Paulo (que isso, Ed?) e se despediu do público segurando as bandeiras do Brasil e da causa LGBTQ+. Um momento de bastante animação do público, que já dizia estar com saudade.

No geral, a apresentação foi bem positiva! ‘Shape Of You’, um dos destaques do show, é uma das músicas mais populares da história. No YouTube, por exemplo, a música conta com mais de 4 bilhões de visualizações.

Mia é o primeiro EP da drag queen Mia Badgyal. (Foto: Divulgação)

Mia Badgyal promete dominar pistas de dança com o EP ‘MIA’

Com lançamento marcado para o dia 24 de janeiro, o EP conta com seis faixas e coloca a cantora num novo patamar

Postado em 23/01/2019 por

A drag music nunca esteve tão forte! Depois de Pabllo Vittar, Aretuza Lovi, Lia Clark e Gloria Groove, chegou a vez de Mia Badgyal dominar as pistas de dança. O primeiro EP da cantora, dona do hit ‘Na Batida’, chega às plataformas de streaming nesta semana e promete conquistar o gosto dos amantes da música drag no Brasil. Com seis faixas, o trabalho ganhou o nome ‘MIA’ e mostra lados ainda não explorados da cantora.

Como não poderia ficar de fora dos assuntos da Engrenagem Pop, o redator que vos escreve teve acesso ao EP antes do lançamento e pode adiantar uma coisa: está bem bom!

O EP começa com um intro no maior estilo robótico e que já adiante que o trabalho será bem dançante. Fazendo referência ao hit ‘Na Batida’, a abertura estabelece o clima e o ritmo do trabalho completo e anima o ouvinte para o que está por vir. “Quem é essa menina? Badgyal!”, canta.

A primeira faixa completa do MIA é também a minha preferida! ‘Aumenta o Som’ tem cara de hit e é perfeita para as pistas de dança. Badgyal não mente quando canta que ‘quando essa música tocar, ninguém pode parar”! A faixa é dançante, alto astral e já imprime pro ouvinte a essência da drag queen. FATO INTERESSANTE: assim como bastante explorado por Gloria Groove, Mia Badgyal não deixa de fora sua assinatura ao longo da faixa.

Mia segue com uma faixa que todo mundo certamente canta junto: ‘Não Desliga o Telefone’. A faixa, uma regravação da popular Banda Djavú, dá um toque especial no EP e encaixa perfeitamente na sequência. A música é tão característica para Mia Badgyal que, inclusive, ganhou um remix bastante no maior estilo eletrônico para fechar o trabalho.

O EP então, depois da vibe única de ‘Não Desliga o Telefone’, segue para um de seus pontos altos: a faixa ‘Ratatá’. Feita em parceria com Lisita, a música é diferente de todas as outras do MIA e contagia o ouvinte mesmo antes das vozes começar! A faixa é chiclete e quando menos esperar, você estará por aí dançando o ratatá de Mia.

Em ‘LCD’, Mia divide a música com Vini Castellari. A faixa, que se destacou por conta da produção marcante, tem um refrão bastante cativante e certamente ficará na cabeça dos fãs da drag. ‘Tô te curtindo, mas não conta pra ninguém”, canta.

Ainda sem investir num álbum, Mia Badgyal mostra com seu primeiro EP que é um dos nomes do futuro (e presente) da música drag. Ao longo das faixas, a cantora leva seu público a muita dança e letras bem estruturadas! É certamente algo que marcará sua carreira e provará para todos que a cantora é muito mais que a dona do hit ‘Na Batida’.

O single teve seu videoclipe lançado em fevereiro de 2018 e, atualmente, conta com mais de 100 mil plays. Assista:

 

Nas redes sociais, Mia disse estar bastante animada com o lançamento e compartilhou a capa oficial do EP.