Cadastre-se / Entrar
116

PAUTA
Informação e música em harmonia

A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O ônibus psicodélico utilizado pelo escritor Ken Kesey e os Merry Pranktesrs para difundir o LSD nos EUA. Foto: Reprodução / Twitter

Utilizado em pesquisas psiquiátricas e como substância de uso recreativo em comunidades alternativas, o ácido lisérgico impulsionou a contracultura ao redor do mundo

Postado em 21 de setembro de 2018 por

Morto em 14 de maio de 2018, aos 88 anos, em Nova York, por consequência de uma infecção generalizada, o jornalista e escritor norte-americano Tom Wolfe marcou a história da imprensa do século 20 como um dos pais do chamado New Journalism (Novo Jornalismo), movimento também conhecido como Jornalismo Literário.

Difundido por repórteres e cronistas geniais como Wolfe, Norman Mailer, Truman Capote e Gay Talese, o novo gênero foi estabelecido e consagrado a partir de matérias de fôlego, ensaios e livros-reportagens com narrativas que adotavam os melhores recursos estilísticos do universo ficcional sem abrir mão da premissa jornalística de retratar a verdade com imparcialidade.

Ao lançar mão da subjetividade para tecer retratos da realidade sociopolítica dos Estados Unidos em detrimento da objetividade pragmática do jornalismo factual, autores como Wolfe, Talese, Capote e Mailer exerceram papel análogo ao dos melhores historiadores de seu tempo no cumprimento de documentar as transformações comportamentais experimentadas pela sociedade norte-americanal no século 20.

Nascido em Richmond, no estado da Virginia, cansado das perspectivas medianas de sua cidade natal, depois de graduar-se em Priceton, Nova Jersey, e defender um doutorado em Estudos Americanos na Universidade de Yale, em Connecticut, Wolfe migrou para a capital federal dos Estados Unidos em 1959. Por lá, começou a fazer história no jornal The Washington Post. Em 1962, partiu de vez para Nova York, onde trilhou caminho ainda mais ascendente no The New York Herald Tribune.

Em 1963, em colaboração para a revista Esquire, Wolfe causou frisson na imprensa local ao publicar um ensaio divisor, pela estética e densidade incomuns com que retratou dois personagens símbolos da obsessão norte-americana por automóveis, Ed “Big Daddy” Roth, considerado um dos pais da cultura hot rod de carros envenenados e criador do personagem Rat Fink, e George Barris, designer de automóveis que assinou o antológico projeto do primeiro Batmóvel.

Em 1965, o ensaio – intitulado The Kandy-Kolored Tangerine-Flake Streamline Baby (algo como O Carrão de Racha Floco de Tangerina Cor de Doce) –  daria nome ao primeiro livro de Wolfe, uma compilação de suas primeiras reportagens, perfis, artigos e ensaios – na verdade, o título é uma abreviação do original, ainda mais extenso e permeado de onomatopeias: There Goes (Varoom! Varoom!) That Kandy-Kolored (Thphhhhhh!) Tangerine-Flake Streamline Baby (Rahghhh!) Around the Bend (Brummmmmmmmmmmmmmm)….

Entre outros temas, Wolfe também retratou a corrida espacial norte-americana (em Os Eleitos, adaptado para o cinema por Philip Kaufman e protagonizado pelo também escritor Sam Shepard) e a dinastia yuppie consolidada na Nova York dos anos 1980 (no romance A Fogueira das Vaidades, também vertido para a telona, com direçãodo mestre Brian De Palma e Tom Hanks no papel principal).

Sem se curvar ao critério de imparcialidade como um dogma, o jornalista jamais se privou de expressar sua acidez no retrato de alguns de seus personagens. Caso notório dessa prática é o ceticismo com que narrou a adesão de parte da elite norte-americana a pautas progressistas como o movimento Black Panther, tema de Radical Chic, ensaio de 1970 centrado em um jantar oferecido pelo compositor e maestro Leonard Bernstein para disseminar apoio à causa dos militantes radicais dos direitos civis dos negros.

Empatia diametralmente oposta à usual acidez de Wolfe foi manifestada em um de seus maiores clássicos, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico, um catatau de quase 500 páginas em que ele retratou a tresloucada itinerância de um grupo de jovens batizado de Merry Pranksters (em tradução livre, “festivos gozadores”).

Liderada pelo escritor Ken Kesey, a trupe pretendia difundir o consumo do LSD como agente transformador da sociedade norte-americana por meio da “expansão da consciência”, experiência batizada pro Kesey de “testes do ácido”. A excursão com propósito de expansão deveria culminar em um filme, mas essa foi apenas uma das intenções iniciais que sofreram desvio de rota durante a epopeia mentecapta dos Pranksters (em 2011, no entanto, registros da viagem culminaram no documentário Magic Trip: Ken Kesey's Search For a Kool Trip, de Alex Gibney e Alison Ellwood; informação posteriormente encaminhada a este repórter pelo amigo Carlos Minuano, também jornalista – veja o trailer do filme).

Cronologia lisérgica

Em um álbum falado, homônimo e lançado em 1966, o psicanalista Timothy Leary cunhou a expressão “turn on, tune in & drop out” (algo como “se ligue, entre em sintonia e caia fora”). No ano seguinte, a sentença reverberou novamente com amplitude, em discurso proferido por Leary na abertura do Human Be-In, encontro que reuniu mais de 30 mil hippies no Golden Gate Park, em San Francisco.

O bordão provocativo foi então adotado por jovens de todo o mundo para resumir os ideais libertários da contracultura e a experiência transcendental propiciada pelo uso da substância cientificamente conhecida como Ácido Lisérgico Dietilamida, o famigerado LSD, sintetizado e "descoberto" acidentalmente em 1943 pelo cientista Albert Hoffmann, durante um trivial passeio de bicicleta.

Na transição de 1967 para 1968, veio o chamado Verão do Amor, e o uso de LSD fugiu de controle. Milhares de hippies, de costa a costa dos Estados Unidos, passaram a atuar como agentes multiplicadores da cultura lisérgica difundida por Leary. Situação que alardeou nas autoridades americanas a urgência de dar logo um fim à viagem da turma (ou não, parafraseando Caetano Veloso).

ken-kesey-1024x737-600x432 A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O psicanalista Timothy Leary (à esq.) e o escritor Neal Cassady retratados, no interior do ônibus, pelo poeta Allen Ginsberg, em 1964. Foto: Reprodução / Twitter

 

Até 1966, com o aval científico de pesquisadores como Leary, que primeiramente fez experimentos fechados em alguns de seus pacientes, o LSD foi vendido em farmácias dos Estados Unidos com a simples exigência de prescrição médica para fins psiquiátricos. A substância era distribuída em todo o país pela indústria farmacêutica Sandoz (liberação que, aliás, inspirou A Girl Named Sandozcomposição psicodélica da banda The Animals, ouça).

Mesmo com a substância banida das prateleiras das farmácias, o LSD continuou a ser difundido em círculos clandestinos por meio de laboratórios químicos caseiros e traficantes que forneciam a droga embebida em cartelas multicoloridas, micropontos e em soluções líquidas.

a945959dc5853673c383c237a7d4a858-600x400 A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O ônibus original de Kesey sendo preparado para uma apresentação musical e mais um teste de LSD. Foto: Reprodução / Twitter

 

Nos dias inaugurais e festivos de liberação, um experimento coletivo divisor para o movimento migratório feito pelo LSD, que saiu do ambiente científico para tornar-se combustível de transe generalizado da geração Flower Power, foi tema de O Teste do Ácido do Refresco Elétrico, publicado por Wolfe em 1968.

No livro-reportagem o iconoclástico repórter, notório por seus trajes brancos, narra a sucessão de aventuras vividas na estrada pelo Merry Prankters. Liderados pelo escritor Ken Kesey, autor do clássico Um Estranho no Ninho, os Pranksters se reuniram em 1962, para, entre outras pirações, dar início a experiências embrionárias de uso coletivo e recreativo de LSD em uma comunidade alternativa sediada em uma chácara em La Honda, na Califórnia, comprada por Kesey com os direitos autorais da adaptação do livro para o teatro na Broadway.

Dois anos mais tarde, em junho de 1964, os Pranksters empreenderam uma viagem sem precedentes – em duplo sentido literal: Kesey decidiu comprar um velho ônibus escolar fabricado em 1939, fez nele uma série de pinturas psicodélicas e adaptações, como incluir um sistema de áudio para que os músicos da trupe pudessem “transar” um som no teto do veículo, e caiu na estrada com sua trupe.

Tendo o neologismo “furthur” como destino (possível trocadilho entre as palavras além e futuro), municiado de muito LSD líquido diluído em jarras de suco de laranja, Kesey também escalou para alternar o volante do coletivo o escritor beat Neal Cassady, autor de O Primeiro Terço e inspirador do personagem Dean Moriarty, de On The Road, a obra-prima de Jack Kerouac.

tom-wolfe-600x338 A escalada do LSD nos EUA em um dos clássicos de Tom Wolfe

O escritor e jornalista norte-americano Tom Wolfe. Foto: Reprodução / Twitter

O drop out de Kesey e seus discípulos lisérgicos tinha um propósito bem definido: cruzar o máximo de cidades ao sul dos Estados Unidos e identificar voluntários dispostos a realizar os chamados “acid tests” (daí o “teste do ácido” no título do livro de Wolfe).

Ao documentar rotas da acid trip, Wolfe fez um dos relatos definitivos para se compreender a ascensão do psicodelismo e do desbunde que culminou na disseminação global da cultura hippie da segunda metade dos anos 1960. De quebra, no âmbito da música, também escancarou a influência do rock lisérgico da cena de San Francisco, de bandas como Grateful Dead, Jefferson Airplane e Quicksilver Messenger Service, para artistas europeus como os Beatles, os Rolling Stones, o The Who e o Pink Floyd.

Obrigatório para os amantes do bom jornalismo, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico reitera o papel da contracultura como agente de transformação social durante os anos 1960, a década que, se não conseguiu mudar o mundo, inquestionavelmente impactou o porvir com o exemplo de jovens que defenderam suas paixões, suas convicções e anseios com todas as garras, com o coração pleno de valores fraternais e os sentidos abertos e aflorados para o novo. No Brasil, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico foi publicado pela Companhia das Letras, e pode ser facilmente encontrado.

Em 2014, em celebração aos 50 anos da jornada lisérgica iniciada em 17 de junho de 1964 por seu pai, falecido em 2001, Zane Kesey, filho de Ken e Norma Faye Haxby, que era um garoto de apenas 3 anos quando ajudou a trupe dos Pranksters a colorir o velho ônibus, decidiu cruzar algumas estradas dos Estados Unidos ao longo de 75 dias com uma réplica do veículo.

A nova expedição, bem distante da porralouqice original, foi viabilizada por meio de uma vaquinha online, com colaborações a partir de US$ 200, aderida por simpatizantes do espírito transgressor de Kesey, neófitos da contracultura, hippies nostálgicos dos tempos de loucura, além de fãs de primeira hora do Grateful Dead, que "transou um som" – para usar uma expressão da época – no desbundado busão quando ainda viviam dias embrionários e atendiam pela alcunha The Warlocks.

A excursão comemorativa também rendeu um documentário, dirigido por Lindsay Kent e Colby Rex O'Neill, que ganhou o nome de Going Furthur (veja abaixo o trailer) e contou com a presença de pranksters originais, como Ken Babbs, espécie de guru da trupe, George Walker, Wavy Gravy e Lee Quarnstrom.

MAIS

Ouça uma seleção de artistas brasileiros influenciados pela estética do psicodelismo. Na compilação do repórter Gabriel Alves, apresentamos 30 canções disponíveis no acervo do Spotify, além de registros exclusivos do Showlivre. Inscreva-se em nosso canal e acesse mais de 5 mil gravações derivadas de nossas transmissões ao vivo.

 

‘Verdade ou Consequência’: Carol & Vitoria juntam forças com Bivolt em novo single

‘Verdade ou Consequência’: Carol & Vitoria juntam forças com Bivolt para novo single. (Foto: Divulgação)

Faixa marca nova fase na carreira da dupla e reforça a discussão sobre empoderamento feminino e amor próprio

Postado em 22/02/2019 por

O fim de semana começou bastante animado para a dupla Carol & Vitoria! A dupla, que ficou famosa na internet, juntou forças com a rapper Bivolt e, nesta sexta-feira (22), divulgou seu novo single, ‘Verdade ou Consequência’. A faixa chega para reforçar o empoderamento feminino e o amor próprio.

O videoclipe da parceria já está disponível no canal oficial das meninas no YouTube. Assista:

 

A faixa foi composta por Carol, que desabafa sobre um momento que passou e diz que o single será um divisor de águas na carreira da dupla. “Foi a música mais fácil de compor da minha vida. Eu sempre sou muito intensa quando me apaixono e não vou mais suportar que brinquem com meus sentimentos. Este single é “, conta. A personalidade e o som da paulista Bivolt se unem à melodia e se encaixam perfeitamente com a nova proposta da dupla.

Sobre a escolha, a cantora contou que a história de vida da rapper contribuiu muito para a parceria. “A Bivolt também passou por um relacionamento abusivo e achamos muito legal ter uma voz feminina do rap junto com a gente pra contar essa história”, disse.

Disponível em todas as plataformas digitais, a música é forte e mostra que Carol & Vitoria vieram com força para mostrar quem são. “Pra mim esse single representa nossa nova fase, C&V estão prontas pra mostrar o lado ousado que todo mundo queria ver. Estamos muito ansiosas com o que o público vai achar”, concluiu a cantora.

Atualmente, as irmãs acumulam mais de 4.5 milhões de inscritos no canal da dupla no YouTube e mais de 300 milhões de visualizações. Além de “Jura Juradinho”, que já soma mais de 10 milhões de visualizações, elas já lançaram mais duas canções autorais – “Mais Que Um Verão” e “Numa Dessas Voltas”, que somam mais de 2,1 milhões de visualizações.

‘Geladinho’: Aretuza Lovi lança novo single para o carnaval. Confira!

‘Geladinho’: Aretuza Lovi lança novo single para o carnaval. (Foto: Divulgação)

Classificada pelos fãs como uma faixa ‘empolgante’, o single está disponível em todas as plataformas de streaming

Postado em por

Depois de alguns singles bem-sucedidos do ‘Mercadinho’, recente álbum de Aretuza Lovi, a drag queen volta aos holofotes com sua aposta para o carnaval.  Com influências do axé, funk e eletrônico, ‘Geladinho’ segue com a principal característica da drag quem suas músicas: muita festa e alto astral.

Ouça:

 

A faixa é uma composição de Aretuza em parceria com Ruxell, Pablo Bispo, Sérgio Santos, nomes conhecidos do mercado musical, que também assinam a produção. Os três colecionam trabalhos com Iza, Pabllo Vittar, Gloria Groove, entre outros.

Geladinho, também chamado em outras regiões do Brasil de dindin, sacolé, chup chup, flau, entre outros nomes, é popular no carnaval, por isso a música chega para antecipar as festividades.

Sobre a música, Aretuza conta: “’Geladinho’ vem com essa proposta Funk 150, com mistura de axé, que sou apaixonada. Quis fazer essa junção, que é uma característica minha, de fundir e fazer uma mistura muito louca, muito swingada, com bastante percussão”.

Mas se engana quem acha que a música foi feita ao acaso. “Geladinho faz parte da minha história, pude trazer o que vivi na minha adolescência. Fazia geladinho para vender nas oficinas. Quis trazer o geladinho, que é muito popular em todos os estados do Brasil e unificar”, conta Aretuza. “E tem essa pegada de calor, swing, suor, refrescância, clima tropical… espero que caia na boca do povo nesse carnaval”, finaliza.

Aretuza Lovi é uma super-parceria do Showlivre.com. Em junho de 2017, a drag queen apresentou seus sucessos no Estúdio Showlivre. Assista:

Ao lado de Whindersson, Luisa Sonza divulga versão forró do hit ‘Boa Menina’

Ao lado de Whindersson, Luisa Sonza divulga versão forró do hit ‘Boa Menina’. (Foto: Reprodução/ YouTube)

Com uma pegada totalmente descontraída, o clipe oficial da versão alternativa foi gravado – inteiramente – na casa do casal

Postado em por

A cantora e compositora Luísa Sonza acaba de lançar o clipe em versão forró de seu single “Boa Menina”, em seu canal oficial no YouTube. Tendo como locação a própria casa de Luísa, o clipe traz um clima de total descontração, animação e energia lá no alto. Para a gravação, Luísa contou com a participação de seu marido, Whindersson Nunes, sua prima Nadine Gerloff, seu amigo Gabriel Rocha e suas três cachorrinhas, Amora, Regina e Gisele. Assista:

A versão original de “Boa Menina” foi lançada em outubro do ano passado e conta com mais de 47.5 milhões de views no YouTube. O hit também é sucesso nas plataformas digitais. São mais de 13.3 milhões de streamings no Spotify. Confira o clipe oficial: 

 

 

Além do lançamento, Luísa está cheia de projetos para esse ano e se prepara para o lançamento de seu novo álbum, que virá cheio de novidades. A cantora, que vive um momento de ascensão na carreira, com apenas 20 anos de idade, vem emplacando diversos hits com o público. Os quatro clipes que ela lançou em 2018 (“Rebolar”, “Devagarinho”, “Boa Menina” e “Nunca Foi Sorte”) somam juntos mais de 145 milhões de visualizações na internet.

 

Depois do sucesso de vendas, Shawn Mendes anuncia show extra em São Paulo

São Paulo é a cidade que mais consome Shawn Mendes no mundo. (Foto: Divulgação)

Com mais de 530 mil ouvintes mensais, a cidade é o lugar onde o cantor possui mais fãs no mundo todo

Postado em por

Depois do sucesso de vendas dos ingressos da apresentação de Shawn Mendes em São Paulo, a Move Concerts – produtora oficial do evento – resolveu atender os pedidos dos fãs e anunciou que a cidade vai, sim, ganhar um show extra. A nova apresentação acontecerá no dia 29 de novembro, um dia antes do show principal, também no Allianz Parque.

O anúncio aconteceu nas redes sociais da Move Concerts. Na publicação, a produtora contou que sempre está de olho nos pedidos dos fãs no Twitter e que os ingressos para o show extra devem começar no dia 10 de março.

O sucesso de vendas não é uma surpresa pra ninguém, já que – no Spotify – São Paulo é a cidade que mais consome Shawn Mendes no mundo. Em números, apenas no Spotify, o cantor canadense ostenta mais de 520 mil ouvintes mensais na capital paulista.

O levantamento é constantemente atualizado na própria página do cantor, no Spotify – maior plataforma de streaming do mundo. Por lá, São Paulo aparece na frente de lugares como Cidade do México (México), Quezon (Filipinas), Jacarta (Indonésia) e Londres (Inglaterra).

Shawn Mendes é uma fábrica de hits! O cantor é um dos novos queridinhos da música pop e coleciona sucessos ao longo de sua carreira, que conta com três álbuns de estúdio. ‘Treat You Better’, seu single mais famoso, conta com mais de 1,6 bilhões de reproduções no YouTube. Assista:

 

Além dos dois shows em São Paulo, a turnê de seu terceiro álbum, intitulado ‘Shawn Mendes’, também contará com uma apresentação na Jeunesse Arena (03/12), no Rio de Janeiro. Os ingressos para ambas apresentações estão à venda no site oficial da Livepass.

Depois de hiato, Simone e Simaria anunciam volta aos palcos para o próximo mês

Depois de hiato, Simone e Simaria anunciam volta aos palcos para o próximo mês.

A dupla havia cancelado toda a agenda de shows para que Simaria cuidasse de sua saúde física e mental

Postado em 21/02/2019 por

Depois de alguns meses longe dos palcos, Simone e Simaria estão de volta! A dupla, dona de sucessos como ‘Loka’ e ‘Meu Violão e o Nosso Cachorro’, anunciou que o retorno já está marcado e acontecerá antes do que todos pensavam: dia 3 de março, em Recife (PE).

O retorno acontece da melhor maneira, considerando a temporada de folia e alto astral que chega com o carnaval: as irmãs se apresentam no popular Camarote Cavalheira da Ladeira. No dia seguinte, a festa continua no Camarote Olinda, também na capital Pernambucana.

Para alegria dos fãs, Simone e Simaria preparam um repertório animadíssimo e não pode faltar, claro, o novo hit “Qualidade de vida”, música em parceria com Ludmilla que vem agitando as plataformas digitais e conquistando cada vez o publico. No canal oficial da dupla no Youtube, a canção ultrapassa os 30 milhões de visualizações e, no Spotify, figura entre as dez músicas mais executadas no Brasil. A canção é a primeira faixa do DVD “Aperte o play”, que tem previsão de lançamento para final de março. Assista:

‘Errata Perfeita’: Jota.pê anuncia EP e antecipa primeiro single. Confira!

‘Errata Perfeita’: Jota.pê anuncia EP e antecipa primeiro single. (Foto: Divulgação/ Bruno Silva)

Iniciando uma série de estreias programadas para 2019, cantor apresenta “Errata Perfeita”. Com letra de Camila Brasil, faixa foi produzida por Lucas Mayer

Postado em por

Conhecido como um dos nomes mais quentes da música brasileira, com vertentes que vão de Jorge Ben a Caetano Veloso, passando pelo manguebeat de Chico Science, Jota.pê anuncia EP para o segundo semestre do ano e antecipa single “Errata Perfeita”.

Com letra de Camila Brasil e produção musical de Lucas Mayer, faixa tem atmosfera dançante e é embalada por sons de percussão, timbres de guitarra e toques de eletrônicos. De um lado, as influências surgem no intenso rock and roll. Do outro, serenidade e leveza na voz e violão. “Eu estou, realmente, muito feliz por essa nova fase. Estar ao lado de tanta gente que admiro, artistas que compreenderam perfeitamente minha identidade musical e minhas influências, abriram possibilidades que nem eu mesmo tinha imaginado. Tudo foi traduzido em uma sonoridade que me representa com verdade”, explica.

Disponível em todas as plataformas digitais, “Errata Perfeita” foi mixada e masterizada por Rodrigo Deltoro. Ouça:

 

Entre os músicos convidados, Marcelo Mariano (baixo), Kabé Pinheiro (bateria/percussão), Anna Tréa (guitarra e voz) e Silvinho Erne (teclado).

 

Banda Melim disponibiliza no Youtube parte do show gravado em São Paulo

Banda Melim disponibiliza no Youtube parte do show gravado em São Paulo. (Foto: Divulgação/ Sergio Blazer)

Ao todo, estão disponibilizados oito vídeos para os fãs da banda assistirem: “Peça Felicidade”, “Ouvi Dizer”, “Hipnotizou”, “Confusão”, “Sabe Lá”, “Mergulho no Mar”, “Era Pra Ser Outra Canção Feliz” e “Dois Corações”

Postado em por

A banda Melim acaba de lançar em seu canal oficial do YouTube uma parte do show gravado em outubro do ano passado, no Cine Joia, em São Paulo, que contou com a produção e direção de Santiago Ferraz, da US3, e o cenário do premiado Zé Carratu. Assista aqui.

Ao todo, estão disponibilizados oito vídeos para os fãs da banda assistirem: “Peça Felicidade”, “Ouvi Dizer”, “Hipnotizou”, “Confusão”, “Sabe Lá”, “Mergulho no Mar”, “Era Pra Ser Outra Canção Feliz” e “Dois Corações”. A outra metade da gravação tem previsão de lançamento para o dia 14 de março.

Eu tô muito feliz com esse lançamento! Sempre curti escutar álbuns ao vivo, porque misturam a emoção da música com o público. E adorei o resultado do nosso”, conta Rodrigo. “A escolha do Cine Joia e toda parte artística visual e musical passa muita energia e alegria. Espero que o público curta muito, foi feito com muito carinho”, completa.

Aqui em casa tá todo mundo emocionado, não só pela qualidade do material (as músicas ficaram realmente ainda mais bonitas), mas pela resposta do público e por sabermos da importância desse primeiro audiovisual na nossa carreiraA gente tá feliz demais, eu nem sei dizer o quanto”, revela Diogo.

Já Gabi diz que é lindo ver mais um sonho nascer: “Gravamos o disco com todo amor do mundo. Então, colocar as canções no show e escutar o público cantando, os olhos sorrindo, tanto carinho da galera… É demais! Esse ao vivo é um registro muito especial das nossas composições, agora com a soma das vozes e a nossa imagem junto. Estamos muito felizes com o resultado. As músicas ficam mais emocionantes com o afeto do público”.

As gravações estão disponíveis no canal oficial da banda no YouTube. Assista ‘Peça Felicidade’:

 

Para conferir as outras faixas do projeto, clique AQUI.

‘Meu Abrigo’, um dos maiores sucessos do trio, foi lançado no YouTube em dezembro e 2017 e, atualmente, conta com mais de 170 milhões de visualizações. Confira:

 

 

Gato de Taylor Swift é o terceiro animal mais rico do mundo

Com campanhas publicitárias e ações online, o pet já acumulou – para a dona – cerca de US$ 97 milhões

Postado em por

Depois do cachê milionário recusado por Drake para se apresentar no Rock In Rio, a curiosidade sobre os ganhos e movimentação de capital por artistas musicais cresceu e, nesta semana, outro fato ‘chocante’ tomou lugar na discussão dos internautas: Olivia Benson, a gatinha da cantora Taylor Swift, acabou de entrar para o Top 3 da lista dos animais mais ricos do mundo.

No total, o pet teria acumulado mais de US$ 97 milhões (mais de 365 milhões de reais) com ações nas redes sociais e campanhas para marcas famosas, como a Coca-Cola e Keds Sneakers.

olivia-benson-is-a-star-2 Gato de Taylor Swift é o terceiro animal mais rico do mundo

Além do Pet de Taylor Swift, a lista também é composta por animais de todo o mundo e que, de alguma maneira, renderam milhões de dólares. O primeiro colocado, por exemplo, é um cachorro (sortudo) que ganhou como herança – da condessa alemã Carlotta Leibenstein – cerca de US$ 375 milhões (quase 1,5 bilhões de reais).

O motivo pelo qual o site resolveu atualizar é lista foi a morte do estilista Karl Lagerfeld, que morreu nesta semana e deixou parte de sua fortuna para sua gatinha Choupette – que inclusive tem um dos perfis mais populares do Instagram. O animal ainda não aparece na nova atualização.

Confira o Top 10:

MW-HE224_riches_20190220110526_ZH Gato de Taylor Swift é o terceiro animal mais rico do mundo

Além de sua gata, Taylor Swift também é uma das figuras mais rentáveis do mundo. No ano passado, por exemplo, a cantora arrecadou cerca de US$ 80 milhões e ficou em segundo lugar da lista das mulheres mais bem pagas da música, perdendo apenas para também norte-americana Katy Perry.

No YouTube, Taylor é uma das maiores. O videoclipe de ‘Shake It Off’, lançado em agosto de 2014, é o segundo vídeo feminino mais visto do YouTube. Atualmente, a produção conta com mais de 2,7 bilhões de visualizações. Confira:

Pabllo Vittar e Iza lideram pesquisa de desejo do público para o Rock In Rio

Pabllo Vittar e Iza lideram pesquisa de vontade do público para o Rock In Rio.

Gloria Groove, Ivete Sangalo e Claudia Leitte também aparecem entre os cinco nomes mais desejados

Postado em 20/02/2019 por

Depois de testar a vontade do público para nomes internacionais, o Portal Popline está promovendo uma pesquisa para descobrir quais são os nomes nacionais mais desejados pelo público para compor o line-up oficial do Rock In Rio 2019. A drag queen Pabllo Vittar, com mais de 3700 votos, lidera o ranking e é seguida pela ‘pesadona’ Iza, que acumula mais de 2 mil votos.

Além das donas de ‘Problema Seu’ e ‘Ginga’, nomes como Gloria Groove, Ivete Sangalo e Claudia Leitte também aparecem no Top 5. Embora com um número reduzido de votos, o público também demonstra a vontade de ver nomes populares como Jão, Anavitória, Lexa, Ludmilla, Karol Conká, Alok e até a dupla Sandy & Junior em um dos palcos do festival.

A presença de Pabllo Vittar, o nome mais votado da lista, chegou até a entrar para os assuntos mais comentados do Brasil no Twitter. A drag – que conversou com EXCLUSIVIDADE com a equipe do Showlivre – lançou, no começo deste mês, o videoclipe de ‘Seu Crime’ e já acumula mais de 6 milhões de visualizações. Assista:

 

O Rock In Rio 2019 está marcado para acontecer entre os dias 27 de setembro e 6 de outubro. Até o momento, o line-up oficial do evento conta com nomes como Seal, Iron Maiden, Sepultura, Anitta, P!nk, Muse, The Black Eyed Peas e Red Hot Chili Peppers.

Ariana Grande se iguala aos Beatles em feito histórico na Billboard Hot 100

Ariana Grande se iguala aos Beatles em feito histórico na Billboard Hot 100. (Foto: Reprodução)

A cantora é a primeira artista, depois dos Beatles (em 1964) a ocupar – simultaneamente – as três primeiras posições do ranking mais importante do mundo

Postado em por

Ariana Grande é um dos nomes mais populares da música mundial. Com mais de 55 milhões de ouvintes mensais no Spotify e uma série de recordes quebrados, a cantora acaba de conquistar algo para lá de importante: igualar-se, na Billboard Hot 100, aos Beatles. Na nova atualização, Ariana Grande ocupa – simultaneamente – as três primeiras posições do ranking.

O quadro da cantora na Billboard Hot 100 está assim: ‘7 Rings’ manteve-se na primeira posição da lista e ‘barrou’ a faixa ‘Break Up With Your Boyfriend, I’m Bored’, que estreou direto na segunda posição. ‘Thank U, Next’, faixa que deu nome ao álbum e já liderou a lista, saltou da 7ª posição direto para o 3° lugar. Nas redes sociais, a cantora contou que não acreditou que isso fosse verdade e comemorou a conquista. “Achei que tivessem editado isso”, escreveu.

Pra você ter uma ideia da dificuldade da conquista, demorou 55 anos para acontecer de novo. Esse fenômeno, se podemos classificar assim, havia acontecido somente uma vez na história da música mundial, quando – em 1964 – os Beatles conseguiram colocar ‘Can’t Buy Me Love’, ‘Twist and Shout’ e ‘Do You Want To Know a Secret?’ nas três primeiras posições da lista das mais populares.

Nesta semana, na internet, os fãs de Ariana Grande promoveram uma campanha à favor do boicote a ‘7 Rings’ para que ‘Break Up With Your Boyfriend, I’m Bored’ conseguisse a primeira posição e a cantora chegasse mais perto de quebrar o recorde de Katy Perry – até hoje a única mulher a ter cinco faixas do mesmo álbum na primeira posição da lista.

Lançada no mês passado, ‘7 Rings’ acumula quase 190 milhões de plays no YouTube. Confira: